Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

15 de julho de 2024

PL pretende isentar motoristas de aplicativos de pagar IPI na compra de veículos


Por Mariana Czerwonka Publicado 30/01/2021 às 11h20 Atualizado 08/11/2022 às 21h35
Ouvir: 00:00

Além disso, a proposta pretende estabelecer diretrizes federais para a regulamentação do serviço nas cidades brasileiras

Alterar a Lei nº 12.587, de 2012, para estabelecer diretrizes para a prestação do serviço de transporte remunerado privado individual de passageiros, e a Lei nº 8.989, de 1995, para instituir isenção do Imposto sobre Produtos Industrializados – IPI –, na aquisição de automóveis por motoristas que prestem esse serviço. Esse é o tema do PL 4760/20 que está tramitando na Câmara dos Deputados.

De autoria do deputado Claudio Cajado (PP/BA) tem como objetivo garantir condições mínimas para a prestação do serviço de transporte remunerado privado individual de passageiros, assim denominado pela Lei de Mobilidade Urbana, os já tão populares e consagrados “serviços por aplicativo”.

Requisitos

Conforme a proposta, a isenção do IPI seria para motoristas profissionais que exerçam, comprovadamente, em veículo de sua propriedade, atividade de condutor autônomo de passageiros e que destinem o automóvel à utilização na categoria de aluguel.

Além disso, o PL determina outros requisitos para, segundo o deputado, garantir direitos dos usuários e dos motoristas cadastrados nas grandes empresas ou plataformas de aplicativos. Entre eles estão: previsão de pagamento ao motorista de taxa de cancelamento de corrida, quando este chegar ao local de embarque solicitado e o passageiro não comparecer ao local em até cinco minutos e, também, exigência de documento com foto e comprovante de residência para cadastramento dos passageiros pelas empresas.

Outra exigência é a instalação, no veículo, de dispositivo de rastreamento e monitoramento via satélite, com tecnologia sistema de posicionamento global – GPS. Além dele, também um dispositivo eletrônico de segurança, mais conhecido como botão do pânico.

Segundo Cajado, respeitando a competência do Poder local para a regulamentação do serviços, a proposta inclui diretrizes federais que permitirão balizar a regulação local.

“No que tange à isenção de IPI sobre a compra do veículo de condução dos passageiros, para evitar a perpetuação dessa injusta marginalização dos motoristas cadastrados em aplicativo, é necessário passar a tratá-los igualmente aos taxistas”, justifica.

Tramitação

O projeto tramita em caráter conclusivo e será analisado pelas comissões de Desenvolvimento Urbano; de Viação e Transportes; de Finanças e Tributação; e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 

 

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *