Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

04 de março de 2024

Viação e Transportes aprova sinalização de fiscalização eletrônica


Por Mariana Czerwonka Publicado 03/10/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h28
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Fiscalização eletrônica

Proposta original, modificada, pretendia proibir os Detrans de terceirizar a instalação dos radares

A Comissão de Viação e Transportes aprovou na quarta-feira (25) proposta que obriga os órgãos de trânsito a sinalizar a presença de aparelho eletrônico de fiscalização de trânsito. Pelo texto, a medida vale para equipamentos de tipo fixo, móvel, estático e portátil, além de barreiras eletrônicas ou similares.

Foi aprovado substitutivo do relator, deputado Hugo Leal (PSC-RJ), elaborado a partir do Projeto de Lei 2626/11, do deputado Antonio Bulhões (PRB-SP). Esse texto tem análise conjunta com o PL 992/11, do deputado Aguinaldo Ribeiro (PP-PB), que foi rejeitado.

A proposta original proíbe os Detrans de terceirizar a instalação e a operação de radares de trânsito e outros meios tecnologicamente disponíveis para aferir infrações, inclusive bafômetros. A medida também é prevista no projeto acolhido, mas foi retirada do substitutivo.

Autonomia municipal

De acordo com Hugo Leal, embora não esteja expresso na legislação, presume-se que o município possa exercer diretamente ou delegar, mediante licitação, a organização do trânsito local. Segundo afirma, “a Carta Política de 1988, prevê ambas as formas de prestação de qualquer serviço público no território brasileiro”.

Diante desse argumento, o relator também rejeitou os projetos 4683/12, do deputado Jorge Corte Real (PTB-PE), e 5311/13, do deputado Júlio Campos (DEM-MT). Ambos proíbem a terceirização da instalação e operação de equipamentos eletrônicos de fiscalização de trânsito.

Tramitação

A proposta segue para análise conclusiva da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Com informações da Agência Câmara

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *