Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

23 de fevereiro de 2024

Artigo – A era da nova mobilidade e um novo espaço para os carros


Por Artigo Publicado 16/04/2022 às 21h00 Atualizado 08/11/2022 às 21h12
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Artigo do CEO da Quicko, Pedro Somma, sobre a era da nova mobilidade e os carros no meio da mobilidade urbana.

A discussão sobre a mobilidade do futuro é, acima de tudo, sobre integração entre diversas opções de transporte que tornam a jornada das pessoas mais fácil e conveniente. Dentre tais modais, um deles suscita debates em particular: o carro. Divisor de opiniões, entendo que não é possível (nem desejável) pensar em uma cidade em que eles não existam, mas seguramente é fundamental revisarmos o espaço que ocupam no ecossistema de mobilidade urbana.

Desde a segunda metade do século XX, o protagonismo dos carros na mobilidade urbana é evidente, contudo, diversas cidades recentemente vêm implementando iniciativas importantes para reduzir o seu uso, desde pedágios urbanos até restrição de vias e de velocidade. Os motivos para essas mudanças passam por questões econômicas e ambientais.

Em primeiro lugar, podemos perceber globalmente uma redução na compra de veículos novos. Nos últimos anos, o número de carros vendidos reduziu muito, principalmente na Europa, enquanto serviços de compartilhamento de carros seguem crescendo.

O benefício é óbvio: mais flexibilidade e economia.

Afinal, manter um carro tem custos que vão além do combustível e na maior parte do nosso tempo, não estamos efetivamente dirigindo ou nos deslocando. A posse de um carro é vista pelos mais jovens, inclusive, como um luxo dispensável. Isso reforça uma mudança no comportamento que promete ser longa.

Além disso, a questão energética é especialmente sensível: atualmente nada contribui mais para a poluição urbana do que o transporte. O uso intensivo de gasolina e diesel, combustíveis de origem fóssil, é comprovadamente um elemento agravador das mudanças climáticas, pauta crítica de discussão de governos ao redor do globo. Não à toa, o desenvolvimento de carros elétricos tornou-se fundamental para as montadoras. Ano após ano, elas apresentam novos modelos e investem na promoção da infraestrutura necessária para uma frota extensa de carros elétricos.

Se para a era da nova mobilidade o carro não é visto como o herói, como foi visto durante décadas, tampouco me parece correto enxergá-lo como um vilão. Ou seja, um elemento que coloca em risco as cidades sustentáveis. Em evento recente sobre a Mobilidade do Futuro, pude discutir sobre o papel do carro com representantes de Nova Iorque, Munique e Pequim.

Os investimentos em carros elétricos, que são menos poluentes, têm aumentado ano após ano. E mesmo as montadoras já começaram a desenvolver seus serviços de aluguel de carros, dado que cada vez mais pessoas preferem este tipo de serviço.

Ao mesmo tempo, a propósito cidades com altíssima proporção de viagens feitas por carros, o espírito já é outro: o carro tornar-se um auxiliar para o meio de transporte massivo, como ônibus e metrô, em especial em regiões mais distantes dos centros, estes geralmente mais densos, onde a disputa por espaço exige eficiência maior. Para tal, a construção de estacionamentos que funcionam como terminais intermodais tem sido importante para facilitar essa adesão. Centros mais restritos aos carros exigem conexões mais bem desenhadas dentro do ecossistema de transporte.

É evidente que o cenário brasileiro, principalmente, o paulistano difere bastante daquele vivido em Munique, Nova Iorque ou Pequim. A desigualdade entre o centro e a periferia da cidade torna a discussão de mobilidade por aqui também uma discussão de acessos. E, no caso de São Paulo, o carro mais do que nunca, acaba se tornando um artigo de luxo – que a mobilidade não pode depender, mas pode se beneficiar também para a inclusão.

Nesse sentido, o principal novo papel do carro é conectar novas áreas aos centros urbanos por meio da integração aos modais massivos. Uma função da qual ele pode ser eficiente – ainda mais sendo elétrico.

A nova mobilidade se beneficia da integração. Afinal, as demandas das pessoas são tão diversas quanto elas mesmas e as necessidades mudam de acordo com a ocasião. Aplicativos que promovem esta integração e de forma eficiente, como a Quicko, se baseiam nas necessidades ocasionais para sugerir o melhor modal e, nesse contexto, o carro é um meio de transporte importante, mas de uma nova forma: sob demanda e elétrico, ou seja, mais acessível, flexível e sustentável. Para as cidades do futuro, precisamos de colaboração e nesse sentido, superar a ideia de que um protagonista é chave.

*Por Pedro Somma, CEO da Quicko

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *