Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

25 de junho de 2024

Como o 5G vai mudar a mobilidade urbana no Brasil?


Por Pauline Machado Publicado 11/11/2022 às 16h10 Atualizado 17/11/2022 às 14h57
Ouvir: 00:00

Conversamos com especialista Ericson Scorsim para descobrir como o 5G vai mudar, na prática, a mobilidade urbana no Brasil. Leia a entrevista exclusiva.

Por suas diversas perspectivas, o uso da tecnologia 5G está cada vez mais presente no nosso dia a dia. No setor de transporte e logística, têm-se a expectativa de que a referida tecnologia poderá mudar significativamente a mobilidade urbana no Brasil. Mas, de que forma essa transformação do 5G poderá afetar a mobilidade urbana, na prática?

Ericson Scorsim
Ericson Scorsim é advogado e consultor em Direito do Estado, com foco no Direito Regulatório da Comunicação, nas áreas de tecnologias, mídias e telecomunicações. Foto: Arquivo Pessoal.

Conversamos, então, com o advogado e consultor em Direito do Estado, com foco no Direito Regulatório da Comunicação, nas áreas de tecnologias, mídias e telecomunicações, Ericson Scorsim. Ele é, ainda, Doutor em Direito pela USP e autor dos livros: Jogo Geopolítico das Comunicações 5G: Estados Unidos, China e o Impacto no Brasil (2020); Geopolítica das Comunicações: Soberania Cibernética – Competição Tecnológica – Infraestruturas de Telecom – 5G – Neomilitarismo (2021); Geopolítica das Comunicações: Ecossistemas de 5G – Infraestruturas de Telecomunicações e Internet – Infraestruturas nacionais críticas dual-use (civil e militar) – Soberania cibernética e digital (2022), todos publicados pela Amazon.

Confira!

Portal do Trânsito – O que podemos entender por tecnologia 5G?

Ericson Scorsim – A tecnologia de quinta-geração (5G) é tecnologia aplicada às futuras redes de telecomunicações móveis. É uma tecnologia com velocidade que pode ser superior 100 vezes superior à tecnologia de 4G. Com esta superioridade tecnológica é possível o transporte de dados em uma velocidade muito maior, sem a denominada “latência” do sinal, que é o tempo de retorno do sinal de um lugar para outro. Portanto, é uma tecnologia com maior qualidade na transmissão de dados. A tecnologia 5G deve ser compreendida no contexto do ecossistema de 5G, um ecossistema com diversas indústrias, setores econômicos, parceiros, pesquisadores, investidores, empreendedores, entre outros atores envolvidos.

Portal do Trânsito – Dentre as mudanças geradas com a chegada da tecnologia 5G, uma das mais aguardadas está no setor de logística e transportes. Neste sentido, o que podemos esperar dessa nova tecnologia?

Ericson Scorsim – No ranking de mobilidade sustentável, elaborado pelo Banco Mundial, o Brasil ocupa a posição 52 em um total de 183 países. O índice avalia os seguintes quesitos: acesso universal à mobilidade, segurança, eficiência e sustentabilidade. Por isso, há um grande desafio para o Brasil avançar neste ranking de mobilidade sustentável, e a tecnologia de redes de comunicações 5G poderá contribuir para este desenvolvimento.

A aplicação da tecnologia 5G para o setor de logística e transportes traz inúmeras vantagens, dentre elas, a segurança veicular e a segurança no trânsito. Com a tecnologia 5G e a internet das coisas, por exemplo, será possível a comunicação veicular, uma comunicação veículo a veículo, veículo com seu entorno ambiental, veículo com a indústria, etc.

Sensores com visão computacional farão alertas aos motoristas a respeito de possíveis riscos de colisão. Os sensores detectarão, por exemplo, a aproximação de outros veículos e ou pedestres, ciclistas ou  motocicletas, caminhões, ônibus, etc.  Também, a tecnologia 5G habilitará sistemas de realidade aumentada e realidade virtual que possibilitarão sistemas de mídia embarcada dentro dos veículos, os quais transmitirão, em tempo real, informações para o veículo.

Falhas mecânicas ou elétricas poderão ser detectadas pelos sensores instalados nos veículos, o que facilitará os serviços de inspeção. Além disso, sensores medirão a eficiência energética dos veículos.

Portal do Trânsito – Em que aspectos, dentro do setor de transporte, poderemos ver a tecnologia 5G atuando aqui no Brasil? Em carros autônomos, transporte público mais inteligente e estradas mais seguras, por exemplo, ou tudo isso ainda é coisa para o futuro? Por quais motivos?

Ericson Scorsim – No setor de transporte de cargas, a tecnologia 5G poderá contribuir com o monitoramento da frota, a segurança no transporte de cargas, com informações mais precisas em tempo real.  A tecnologia possibilitará um sistema de melhor videomonitoramento das frotas e o rastreamento de cargas.

Percebo que a tecnologia poderá contribuir para programas de sustentabilidade ambiental do setor de transporte, com o monitoramento do consumo de combustíveis e a definição de rotas de logística. Já existem aplicativos de monitoramento do comportamento de motoristas, a fim de detectar riscos na condução dos veículos, bem como acelerações e frenagens desnecessárias. Também, os aplicativos monitoram a atenção do motorista no trânsito. Com o 5G, estes aplicativos ficarão melhores.

Para carros autônomos acho que a situação é complexa e demorará mais a ser aplicada em larga escalada, por razões de segurança da tecnologia e segurança no trânsito. Vejo mais a aplicação de veículos autônomos em áreas controladas como, por exemplo, caminhões autônomos em áreas de mineração. Em ambientes abertos de ampla circulação de veículo, vejo ainda muitos riscos. Talvez, devêssemos falar em carros semi-autônomos. Ou seja, um veículo com piloto automático, utilizado em circunstâncias excepcionais, sob o controle do motorista ou de uma unidade central.

Quanto ao transporte público, tecnologia como 5G, internet das coisas, inteligência artificial, big data, machine learning,  poderão contribuir para a eficiência dos sistemas de transporte coletivo de passageiros, ainda mais considerando-se a transição do sistema de energia fóssil para o sistema de energia elétrica. Estas tecnologias poderão contribuir para a segurança dos passageiros e a segurança no trânsito, mediante o controle, por exemplo, do comportamento dos motoristas.

No tema segurança das estradas, acho que as inovações tecnológicas associadas ao 5G poderão contribuir com os sistemas de videomonitoramento, com maior precisão e escala. Dessa forma, reduzindo os riscos de acidentes de trânsito.

A inteligência artificial, o videomonitoramento por drones, satélites, videocâmeras, trazem excelentes oportunidades para enfrentar, por exemplo, bloqueios criminosos de estradas. Estas ferramentas contribuirão para o monitoramento, vigilância e identificação dos criminosos que bloqueiam estradas e negam o acesso a bens de consumo e serviços essenciais.

No início deste mês, assistimos cenas de barbárie com o impedimento de ir e vir nas estradas brasileiras. Devido a movimento político inconformado com o resultado das urnas, que afetou o tratamento médico de pessoas que se deslocavam para fazer hemodiálise em outra cidade, o deslocamento de mulheres grávidas, o acesso a remédios e combustíveis, entre outras. Por isso, estas tecnologias podem melhorar o tema da segurança pública nas rodovias.

Portal do Trânsito – Quais são os desafios – e como ultrapassá-los para que a implantação da tecnologia 5G venha transformar a mobilidade urbana nas cidades brasileiras?

Ericson Scorsim – Para termos cidades inteligentes, saudáveis e sustentáveis, é fundamental termos políticas públicas de renovação das infraestruturas urbanas.  Os governos locais devem incentivar ao máximo a instalação das redes de antenas de 5G, um equipamento essencial às redes de comunicações. O desafio é de conscientização situacional, isto é, a percepção da ecologia urbana, caracterizada por mobilidade com tecnologias ineficientes, na perspectiva energética e acústica,  e o processo de mudança gradual para a implantação de tecnologias limpas.

Portal do Trânsito – Quais serão os possíveis resultados a partir dessas mudanças, ou seja, quais são os possíveis impactos positivos na mobilidade urbana?

Ericson Scorsim – O primeiro impacto é o descongestionamento do trânsito nas cidades.  Com sistemas de trânsito e política urbana mais inteligentes, é possível diminuir a degradação da qualidade de vida decorrentes dos sistemas de mobilidade urbana.

Segundo impacto, a segurança no trânsito. Com mais tecnologia é possível ampliar sistemas de monitoramento com maior precisão para dissuadir comportamentos de alto risco no trânsito. Veja o impacto das câmeras de videomonitoramento de velocidade nas cidades. Precisamos também de radares acústicos para reduzir a poluição acústica nas cidades, causada por automóveis, motocicletas, ônibus e caminhões.  Paris e Nova Iorque contam com projetos piloto de radares acústicos, para a prevenção e repressão da poluição sonora no trânsito.  Há alguns anos, em São José dos Pinhais, próximo à entrada de Curitiba, houve um acidente com o engavetamento de diversos veículos que foram colidindo uns contra os outros devido à falta de visibilidade ocasionada por neblina. Se houvesse um sistema de alerta aos motoristas, em tempo real, poderia ter sido evitado este tipo de tragédia.

Terceiro impacto, a questão ambiental. As inovações tecnológicas poderão agregar mais valor ao sistema de mobilidade urbana.

Quarto impacto, a segurança pública.  Com mais tecnologia é possível se pensar na mobilidade urbana no contexto da segurança pública.

Quinto impacto, a saúde pública. Com tecnologias mais eficientes temos a capacidade institucional de repensar a mobilidade urbana a partir da saúde pública. Vejamos o caso da pandemia e seu impacto nas cidades. Toda a mobilidade foi reajustada a partir da pandemia, inclusive, com o home office, as pessoas passaram a trabalhar em casa. Mas, graças à mobilidade urbana dos serviços de transporte de cargas e os sistemas de pagamento online, comida e medicamentos, as pessoas puderam ficar em casa (para quem pode ficar em casa, evidentemente). Dessa forma, serem atendidas pelos sistemas de entrega em domicílio. Esta ponta do sistema de logística e transporte, funcionou exemplarmente durante a pandemia e, inclusive, obrigou a aceleração digital de muitos negócios em diversos setores. Podemos imaginar o cenário de mobilidade sustentável de modo a atender grupos vulneráveis, como crianças, idosos, deficientes, doentes, com pessoas com neurodiversidade cognitiva, entre outros grupos vulneráveis.

A tecnologia 5G poderá contribuir nos serviços de emergência. Ou seja, ambulâncias equipadas com 5G poderão fazer atendimentos emergenciais em locais de acidente ou de atendimento à saúde. Precisamos pensar na mobilidade em situações de emergência.

Portal do Trânsito – E, quanto ao ganho em eficiência energética? Os veículos capacitados com inteligência artificial poderão utilizar os dados para melhorar a performance quando em circulação?

Ericson Scorsim – A coleta, processamento, armazenamento e análise dos dados dos veículos (mediante sensores e inteligência artificial), em tempo real, seja do consumo de energia e outros dados, sem dúvida alguma, possibilitará um novo ecossistema industrial e novos modelos de negócios de serviços digitais.  Estes veículos dependem de semicondutores e sensores que servem como processadores, coletores e transmissores de dados.  Por isso, precisamos pensar em conectividade veicular, para possibilitar a captura e a transmissão destes dados em tempo real. Para além de eficiência energética, o monitoramento de veículos poderá contribuir para a segurança pessoal no trânsito, com alertas aos motoristas sobre as  áreas de riscos.

Portal do Trânsito – Para o transporte compartilhado, quais são/serão os possíveis ganhos?

Ericson Scorsim – Com a tecnologia de 5G houve o surgimento de novos modelos de negócios, pensemos na plataforma do Waze, Uber, 99 táxi, iFood, entre outros. O iFood tem um programa de incentivos para entregadores que utilizam motocicletas e bicicletas elétricas. O ecossistema 5G poderá ampliar ainda mais novos modelos de negócios de transporte por compartilhamento, seja de cargas ou de pessoas. Com a inteligência artificial e o monitoramento em tempo real do deslocamento urbano será possível avaliar novas demandas de mobilidade. Mas, o tema do compartilhamento de bicicletas é algo ainda a se explorar. Embora algumas iniciativas não tenham dado certo neste campo, acredito que há ainda espaço para a formatação de novos modelos de negócios. E, também, para a valorização desta modalidade de mobilidade ecossustentável.

Portal do Trânsito – E para o trânsito de modo geral?

Ericson Scorsim – A inteligência artificial, juntamente com a tecnologia 5G, possibilitará o monitoramento do trânsito em tempo real. Nesse sentido, esta ferramenta poderá auxiliar os governos locais em campanhas de prevenção de acidentes de trânsito. Assim como, de definição de áreas de risco à segurança pública, medidas para a sustentabilidade ambiental diante da poluição atmosférica e acústica nas cidades. Isso é algo bem importante para a saúde pública urbana.  Ampliando-se a utilização da tecnologia 5G e melhorando a segurança nas ruas, é possível que os cidadãos se sintam mais seguros para poderem andar a pé.

Portal do Trânsito – Por fim, de que modo as organizações dos setores público e privado podem se articular pensando em fomentar a mobilidade urbana com suporte da tecnologia 5G?

Ericson Scorsim – Primeiro, mediante o diálogo entre os governos, a indústria, os prestadores de serviços bem como as entidades setoriais. Parcerias público privadas estratégicas serão necessárias.

Segundo, por um plano de ação estratégico para a conscientização, sensibilização e engajamento da sociedade civil como um todo, para a melhoria da infraestrutura urbana e promoção da mobilidade sustentável.

Terceiro, a articulação com os investidores comprometidos com a mobilidade sustentável. Sobre o tema, ver a interessante iniciativa do Banco Mundial assim como outras entidades em seu programa Sustainable Mobility for All, a respeito do catálogo de políticas para a mobilidade sustentável, denominado Catalogue of policy measures 2.0 – toward sustainable mobility, que pode ser visto em: www.sum4all.org

Segundo, por um plano de ação estratégico para a conscientização, sensibilização e engajamento da sociedade civil como um todo. Além disso, para a melhoria da infraestrutura urbana para a promoção da mobilidade sustentável.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *