Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

03 de março de 2024

Pesquisa: alta no preço dos combustíveis e consciência sustentável fomenta o uso da micromobilidade


Por Pauline Machado Publicado 14/07/2022 às 16h30 Atualizado 08/11/2022 às 21h07
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Além da conveniência e baixo custo, os usuários mostram preferir o uso da micromobilidade por  ser benéfico ao meio ambiente.

Um estudo do Boston Consulting Group que avaliou as perspectivas de futuro e uso atual de transportes de micromobilidade, ou seja, veículos que pesam menos de 500kg e que têm, ou não, motor elétrico, identificou que 30% dos entrevistados já faz uso de bicicleta diariamente, ou várias vezes por semana. Além da conveniência e baixo custo, os usuários mostram preferir esse tipo de transporte por ainda ser benéfico ao meio ambiente, ao mesmo tempo em que se adapta a diferentes estilos de vida.

De acordo com os pesquisadores, o assunto é altamente importante na discussão de mobilidade urbana. Eles consideram que mais do que uma promessa para grandes cidades pelo mundo, o uso de transportes individuais e alternativos é um meio de conter o congestionamento e reduzir as emissões de gases de efeito estufa na locomoção.

Alta no preço dos combustíveis

Com base nos dados adquiridos, concluiu-se que integrar o uso de veículos de micromobilidade aos sistemas de transporte público urbano é uma das opções mais promissoras com as quais as grandes cidades podem contar para reduzir o congestionamento, as emissões e outros males associados ao uso crescente do carro.

Além do crescimento da consciência ecológica por parte dos consumidores, a alta no preço dos combustíveis também impulsiona o uso de transportes alternativos, colocando a atual conjuntura como o momento mais do que oportuno para avançar na questão e tornar a micromobilidade um elemento central na transformação da mobilidade urbana.

Outros dados da pesquisa

Gerais

  • Em todos os tipos de veículos, as assinaturas são os segmentos de crescimento mais rápido no mercado de micromobilidade, com CAGR (Taxa de Crescimento Anual Composto, na sigla em inglês) projetado para exceder 30% na próxima década.
  • Nos segmentos de compartilhamento, espera-se que todos os modos, exceto bicicletas, tenham CAGR de 10% a 30% na próxima década.
  • Mais de 30% de todos os entrevistados usam bicicleta várias vezes por semana, se não diariamente. Outros 20% usam um várias vezes por mês.
  • Jovens (de 16 a 29 anos) e pessoas de meia-idade (de 30 a 49 anos) são os maiores usuários de micromobilidade nos centros das cidades, e os jovens do sexo masculino são os maiores usuários de e-scooters e ciclomotores.

Usar, ou não, o transporte alternativo individual?

  • As seis principais razões pelas quais as pessoas escolhem a micromobilidade foram de importância quase igual: flexibilidade, bem como confiabilidade, preço, clima (quando está agradável), segurança e a oportunidade de economizar tempo reduzindo o tempo de viagem.
  • Em todos os dez países pesquisados, o maior impedimento ao uso da micromobilidade foi, de longe, o mau tempo (44% dos entrevistados) – claramente uma questão que os provedores devem considerar em seus planos de implantação.
  • Os outros principais impedimentos – alto custo, rede de ciclovias insegura e assim por diante – foram quase iguais em importância, com entre 32% e 36% dos entrevistados
  • Infelizmente, hoje muitas cidades ficam aquém e ocorrem muitos acidentes entre veículos motorizados e veículos de micromobilidade. De fato, a falta de ciclovias e infraestrutura cicloviária é um dos principais impedimentos ao uso da modalidade.

 Sustentabilidade

  • No entanto, do ponto de vista da sustentabilidade, a micromobilidade pode ter um efeito misto.
  • Quando os veículos movidos a eletricidade substituem a caminhada, as emissões de transporte aumentam. Não apenas durante o trajeto, mas durante todo o ciclo de vida do produto, desde a aquisição e fabricação até a distribuição, venda e descarte.
  • Embora os veículos de transporte público (principalmente ônibus) gerem emissões em alguns estágios do ciclo de vida, vários de seus impactos são compensados ​​pela vida útil relativamente mais longa dos veículos ativos, e pelo fato de o investimento ser independente do número de usuários reais. Eles operam não importa o que: quanto mais usuários, mais verdes eles se tornam.
  • Promover a micromobilidade sem considerar a totalidade dos impactos pode ter um impacto negativo no meio ambiente. Se o objetivo é reduzir o uso de veículos motorizados, caminhar e o transporte público devem ser as opções mais incentivadas. Claramente, o que é bom para Amsterdã pode não ser bom para Atlanta, então o ambiente local e outras condições precisam ser levadas em consideração.
  • Essencialmente, o impacto do uso da micromobilidade hoje é, na melhor das hipóteses, neutro. Não há apenas substituições insuficientes para o uso de carros particulares. No entanto, mais substituições estão ocorrendo com os dois modos de mobilidade mais verdes, a pé e o transporte público.

Diferenças socioeconômicas

  • À medida que a renda aumenta, o mesmo acontece com o uso da micromobilidade, em todos os modos. As diferenças de uso entre os moradores de baixa, média e alta renda são mais pronunciadas com e-scooters e e-mopeds.
  • Moradores de baixa renda, por exemplo, geralmente são menos inclinados a usar a micromobilidade e nem sempre por causa do custo. As diferenças culturais também podem desencorajar o uso. Em algumas cidades, o motivo é simplesmente a falta de disponibilidade.
  • Não surpreendentemente, dada a sua longa história, a bicicleta ainda é, de longe, a forma dominante entre os moradores da cidade.
  • 42% usam a micromobilidade para atividades de lazer. O deslocamento para o trabalho bem como para tarefas do dia a dia são o segundo e terceiro usos mais comuns. Eles representam 39% e 36% de todos os entrevistados, respectivamente.

O levantamento, realizado pelo BCG em parceria com a Universidade de St. Gallen, na Suíça, ouviu mais de 11.400 pessoas em dez países – Estados Unidos, Reino Unido, Espanha, França, Holanda, Suíça, Alemanha, Dinamarca, China e Japão.

 

 

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *