Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

25 de julho de 2024

Você sabe quais são os sinais de desgaste do motor do seu carro?


Por Talita Inaba Publicado 04/12/2012 às 02h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h56
Ouvir: 00:00

Mesmo com as vendas de veículos em alta nos últimos anos, a idade média da frota é de 8 anos e 9 meses para automóveis, enquanto os comerciais leves atingiram 7 anos e 8 meses, segundo levantamento do Sindipeças. O fato do veículo estar com idade avançada não significa que está em más condições. Tudo depende de como o motorista cuida dele.

Para isso, é necessário fazer manutenção preventiva, conforme indica o manual do fabricante, procurar oficina de confiança e ficar atentos a alguns sinais de desgaste. “No caso do motor, por exemplo, o desgaste de alguns componentes pode acabar comprometendo o bloco e o eixo virabrequim, ocasionando prejuízo maior no bolso dos consumidores”, afirma o engenheiro Ricardo Nonis, diretor do Conarem – Conselho Nacional de Retíficas de Motores. Segundo Nonis, a retífica normalmente é feita quando o veículo está com quilometragem elevada e começa a apresentar alguns indícios, entre eles, excesso de fumaça expelida pelo escapamento, alto consumo de óleo lubrificante, baixa potência e ruídos anormais. Na retífica o motor será desmontado para depois passar por processo de limpeza dos componentes, usinagem, remontagem e regulagem. “A higienização é feita com banhos químicos para eliminar resíduos de óleo, carvão e cola”, explica. Em seguida as peças seguem para a usinagem em diferentes máquinas. “As características do motor são todas restabelecidas após a retífica, tanto com relação ao desempenho, quanto à durabilidade. Um motor retificado tem que render e durar tanto quanto um motor novo”, finaliza.

Cuidados que podem evitar gastos desnecessários Alguns hábitos diários podem evitar prejuízos no bolso dos proprietários de automóveis, entre eles, a atenção no momento de abastecimento. “O combustível adulterado com algum tipo de solvente ou água pode afetar o sistema de injeção do motor”, salienta Nonis. Diariamente, também é preciso verificar o nível de água, se há vazamentos em mangueiras ou radiador, bem como observar o nível de óleo, o estado de mangueiras e filtros. Caso o veículo precise de reparos, a recomendação é levar a um mecânico de confiança. Quando o motorista não tem um mecânico de confiança, é possível encontrar retíficas ou oficinas nos sites das entidades – Conarem (www.conarem.com.br) e Sindirepa-SP (www.sindirepa-sp.org.br).

Fonte: Jornal da Mídia

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *