Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

02 de março de 2024

80% dos pacientes amputados são vítimas de acidente com moto


Por Talita Inaba Publicado 20/07/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h34
 Tempo de leitura estimado: 00:00

O Hospital das Clínicas em São Paulo é um centro de referência em ortopedia. Não é raro faltar espaço para cirurgias agendadas. Cada vez mais, os leitos estão ocupados por pacientes que se acidentaram no trânsito.

Um levantamento recente mostra que o número de amputados no HC dobrou de 2011 para 2012, de 13 para 26. Só este ano já foram 15.

“Dez por cento dos acidentados já perdem o membro no local do acidente. Já chegam amputados e a nós só resta fazer os cuidados normais. Dos outros que chegam aqui, felizmente em 80% dos pacientes a gente consegue preservar o membro”, declara Kodi Kojima, chefe do grupo de trauma do Instituto de Ortopedia da Faculdade de Medicina da USP.

A estatística do Hospital das Clinicas é mais um indício da violência crescente do trânsito. Oitenta por cento dos pacientes amputados se acidentaram enquanto dirigiam motos.

Um ano e quatro meses depois do acidente, Joilson se dedica à fisioterapia.

“Objetivo? Botar minha prótese, ter minha independência e trabalhar”, declara Joilson de Jesus Souza.
Pra Deivid, a história está começando a mudar. Há quatro meses, ele foi atropelado por um carro em alta velocidade guiado por um estudante de psicologia. O limpador de vidros teve o braço arrancado.

Agora se prepara para colocar uma prótese definitiva, que custa R$ 300 mil. Presente de um empresário. “A gente tem que sonhar alto, senão a gente não consegue correr atrás”, diz Deivid.

Os médicos dizem que 40% dos acidentados que sofreram amputações conseguem voltar a ter uma vida normal.

Fonte: Bom Dia Brasil

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *