Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

RS: mortes no trânsito caem 8% no Estado em 2023

O Rio Grande do Sul registrou queda no número de mortes no trânsito em 2023. Foram 1.572 vítimas fatais em acidentes de trânsito no ano passado contra 1.707 em 2022.


Por Assessoria de Imprensa Publicado 24/02/2024 às 18h00
 Tempo de leitura estimado: 00:00
mortes trânsito RS
Análise da acidentalidade com morte trouxe indícios do resultado positivo da Balada Segura – Foto: Ascom DetranRS

O Rio Grande do Sul registrou queda no número de mortes no trânsito em 2023. Foram 1.572 vítimas fatais em acidentes de trânsito no ano passado contra 1.707 em 2022, o que representa uma redução de 8%. O número de vítimas fatais engloba as pessoas que morreram no momento do acidente bem como as mortes de feridos em até 30 dias após o ocorrido, conforme metodologia da Organização Mundial de Saúde. Os dados fazem parte do balanço de acidentalidade divulgado pelo DetranRS e apresentado para o secretário de Segurança Pública, Sandro Caron.

image-5
Total de mortes no trânsito do RS (rodovias e vias municipais) 2019-2023. Foto: Detran-RS.

A queda no número de vítimas fatais em rodovias e vias municipais é resultado de ações conduzidas pelo DetranRS, como a promoção de campanhas de conscientização e o reforço da fiscalização por meio do programa Balada Segura. A autarquia promove, de forma contínua, campanhas educativas para sensibilizar a população sobre os problemas do trânsito – principalmente acerca do consumo de álcool ao dirigir e do uso do cinto de segurança. O orçamento para essas campanhas terá valor duplicado em 2024.

Para contribuir com as ações preventivas, a Escola Pública de Trânsito ganhou uma sede física com atividades diversas. Além disso, ao longo dos últimos meses, a fiscalização foi reforçada e os agentes do DetranRS aumentaram em 64% as abordagens na Balada Segura com a utilização de um etilômetro passivo, que capta a presença de álcool no ar sem que haja a necessidade de o motorista sair do carro. Caso se detecte, o condutor recebe o convite para realizar o teste convencional, com sopro no bocal.

image-6
Mortes por faixa etária e gênero no trânsito do RS em 2023. Foto: Detran-RS

Perfil

A análise das características da mortalidade no trânsito demonstra um aumento das vítimas de idade mais avançada. Em 2023, a faixa etária de 65 a 74 anos concentrou a maioria das mortes no trânsito (132 ocorrências), lugar que tradicionalmente trazia os mais jovens, a partir dos 20 anos.

A tendência que não muda é a de que a quantidade de homens que morrem é quatro vezes superior à de mulheres. A proporção se mantém mais ou menos estável desde o início da série histórica do DetranRS com a utilização da mesma metodologia, em 2007.

image-7
Mortes por gênero no trânsito do RS em 2023. Foto: Detran-RS

Balada Segura

A análise da acidentalidade com morte trouxe indícios do resultado positivo da Balada Segura para a redução dos óbitos. Se comparada a variação das mortes nos municípios que desenvolvem o programa com os que não fizeram o convênio, a redução da mortalidade foi bem maior para os primeiros. Nas 40 cidades com Balada Segura, a redução foi de 14,5% em relação a 2022, enquanto nas demais a queda foi de 3,4%.

image-8
Redução de mortes em municípios com e sem Balada Segura 2022-2023. Foto: Detran-RS

Quando feita a análise por turno, os resultados também apontam para a eficácia do programa. Na madrugada, principal horário em que se realiza as blitze da Balada Segura, os municípios que aderiram ao programa tiveram redução de 33% das mortes no turno, enquanto os outros diminuíram em 5%.

Na avaliação do diretor do DetranRS, Rafael Mennet, é preciso reforçar as ações preventivas assim como de fiscalização. Dessa forma, para reduzir ainda mais o número de mortes no trânsito.

“A Balada Segura sem dúvida é uma política pública bem-sucedida, principalmente se considerarmos que o álcool é o principal fator de risco para a mortalidade no trânsito”, destaca. “Nosso compromisso com o governo do Estado é intensificar as ações e estender o programa para o maior número possível de municípios. Estamos estudando estratégias nesse sentido, de modo a reduzir drasticamente os indicadores e salvar vidas”

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *