Notícias

Notícias

Simuladores podem deixar de ser obrigatórios no País 

Simuladores podem deixar de ser obrigatórios no País

Uso de simuladoresProjeto de lei que suspende resolução do Contran sobre necessidade de horas/aula no aparelho será votado hoje pela Câmara Federal

A Câmara dos Deputados votará hoje, em sessão extraordinária, um projeto de lei que suspende os efeitos de resolução do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), o qual exige o uso de simuladores de direção pelas autoescolas. O Projeto de Decreto Legislativo 1.263/13 é de autoria do deputado Marcelo Almeida (PMDB-PR), que alega que, além de estimular a formação de um cartel de empresas e deixar a carteira de motorista mais cara, o uso do simulador não vai reduzir a violência no trânsito. O aparelho necessário custa cerca de R$ 35 mil.

O diretor-geral do Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (Detran/RS), Leonardo Kauer, faz parte de um grupo de entidades que mobiliza-se contra a revogação da obrigatoriedade de 5 horas/aula usando simuladores de direção na formação de novos condutores. O órgão estadual tem apoio da Associação Nacional dos Detrans, da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), da Federação Nacional das Autoescolas (Feneauto) e dos deputados federais Vicentinho (PT-SP) e Henrique Fontana (PT-RS), este último, presidente da Frente Parlamentar em Defesa do Trânsito Seguro.

“Estamos mobilizados e já conseguimos que o projeto não entrasse em votação na semana passada, para que pudéssemos fazer uma campanha maior em cima do assunto”, afirma Kauer. Entretanto, o diretor-geral não se mostra muito otimista em relação à decisão dos parlamentares, que ocorrerá às 16h. “Sinto que há uma tendência à aprovação do projeto. Mas nunca se sabe, é difícil de prever”, pondera.

A resolução do Contran é de abrangência nacional. Segundo Kauer, o Rio Grande do Sul foi pioneiro em adotar o modo experimental pré-prático (simulador). “Testamos o sistema. Alguns estados ficaram refratários e, outros, retardatários nesse processo, mas houve locais que ficaram insatisfeitos com a obrigatoriedade, em função do custo”, diz.

A ideia de que o acréscimo do valor do aparelho no preço da Carteira Nacional de Habilitação (CNH) torne a formação mais cara é rechaçada pelo diretor-geral. “Em média, os candidatos costumam fazer 28 horas/aula para se sentirem seguros para realizar a prova, ou seja, oito horas a mais do que o obrigatório. No Brasil, a média é maior, de 34 a 35 horas. Há estudos que fizemos que comprovam que, com os simuladores, o número de horas/aula é menor, porque não há interferência de fatores como clima e outros veículos na rua, que dão insegurança ao aluno. Por isso, o gasto dele acaba sendo menor com o simulador”, justifica. E solta uma provocação: “Alguns gestores podem pensar que não é bom aumentar o valor da CNH em ano de eleição, mas nós acreditamos que uma vida não tem preço”.

Fonte: Jornal do Comércio


Artigos Recomendados Para Você

Deixe uma resposta

Campos obrigatórios *

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']