Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

23 de fevereiro de 2024

Excesso de trabalho causa acidentes de trânsito


Por Talita Inaba Publicado 21/06/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h36
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Mudar a postura de quem dirige profissionalmente um veículo é o grande desafio para preservar a vida, disse o ministro das Cidades, Aguinaldo Ribeiro, no lançamento de mais uma campanha de trânsito do Pacto Nacional pela Redução de Acidentes (Parada – Um Pacto pela Vida).

A campanha será feita por meio de filmes e spots em canais abertos de televisão e rádio em todo o país.

A campanha, que tem como lema “Motorista, álcool e drogas podem fazer da sua viagem um caminho sem volta”, será focada nos motoristas profissionais de caminhões, ônibus, vans, táxis/empregados ou autônomos. A meta é reduzir o número de acidentes em até 50% até a próxima década.

Dados de 2010, registraram 42.844 vítimas fatais no país. Desse total, os acidentes com mortes envolvendo caminhões correspondem a 21%.

O ministro explicou que o excesso de trabalho e o uso de drogas e álcool estão entre os principais fatores desses acidentes.

“Uma vida não pode ser ceifada por desleixo de alguém que bebe e não tem condições de dirigir”, disse.

O hábito de muitos caminhoneiros de permanecer acordados por meio do consumo de substâncias prejudiciais à saúde é outro fator responsável pela maioria dos acidentes de trânsito.

“Não adianta correr para chegar rápido e perder a vida não chegando a lugar algum”, disse o ministro.

Ribeiro observou que os filmes da campanha terão cenas de acidentes com o objetivo de sensibilizar a população.

Para o diretor do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran), Antônio Claúdio Portela, a conscientização do motorista no volante é o foco principal da campanha.

“Queremos fazer com que o motorista verifique as consequências que ele pode gerar com a irresponsabilidade”.

Com informações da Agência Brasil

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *