Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

27 de fevereiro de 2024

Variação no preço da gasolina chega a R$ 0,51 entre capitais


Por Talita Inaba Publicado 18/02/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h48
 Tempo de leitura estimado: 00:00

O que antes era só uma impressão dos motoristas, agora foi comprovado pela Agência Nacional do Petróleo: o preço da gasolina está variando muito de uma cidade para a outra.

A diferença no preço médio do litro da gasolina chega a R$ 0,51 entre as capitais brasileiras, de acordo com o último levantamento da Agência Nacional do Petróleo.

Rio Branco tem a gasolina mais cara: R$ 3,20 o litro. A mais em conta está em João Pessoa: R$ 2,69. Em São Paulo, a gasolina entra no tanque custando R$ 2,72. Já em Curitiba, custa – em média – R$ 2,95.

Com o preço da gasolina variando muito e quase sempre nas alturas, muitos motoristas dão um jeito de economizar. No Paraná, por exemplo, quem mora na região de fronteira tem ido até a Argentina atrás de combustível mais barato.

Nos postos de Porto Iguaçu, o litro da gasolina custa em torno de R$ 2,20, bem mais barato do que em Foz do Iguaçu. Os brasileiros aproveitam. “Eu gastaria de R$ 150 a R$ 160 mais ou menos e aqui entre R$ 90 e R$ 100”, afirma Valdecir de Abreu.

Um turista de Santa Catarina, em férias na fronteira, encheu o tanque no país vizinho. O dinheiro que ele economizou já tem destino certo. “Vamos comprar queijo, azeitona, aproveitar”, brinca Moisés Zillio, advogado.

Já para quem não tem fronteira por perto, o jeito é rodar para encontrar a gasolina mais em conta. É o que faz Giuliano, que sai de Cascavel para abastecer em Santa Tereza do Oeste, onde a gasolina está R$ 0,20 mais barata. É uma viagem de 30 quilômetros ida e volta.

“Por que uma diferença tão grande entre dois municípios tão próximos? Vale a pena vir abastecer”, conta o motorista.

Volnei de Almeida encontrou uma mais radical e também mais saudável. “Normalmente eu viria de carro, que é mais rápido. Agora é bicicleta. Já era melhor, questão de saúde também, mas agora com o aumento da gasolina, a prioridade é a bicicleta”, afirma.

Fonte: Bom Dia Brasil

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *