Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

04 de março de 2024

Cresce índice de alcoolizados entre os mortos no trânsito

O álcool estava presente no sangue de 44% dos condutores mortos em acidentes de trânsito em 2022.


Por Assessoria de Imprensa Publicado 02/01/2024 às 15h00
 Tempo de leitura estimado: 00:00

O álcool estava presente no sangue de 44% dos condutores mortos em acidentes de trânsito em 2022. O índice é cinco pontos percentuais maior que em 2021, quando foi detectado álcool em 39% dos condutores mortos. Os percentuais anteriores mantinham-se relativamente estáveis desde quando o Departamento Estadual de Trânsito do Rio Grande do Sul (DetranRS) passou a fazer o levantamento anual: em 2018 (37,6%), em 2019 (37,2%) e em 2020 (39,7%). O estudo transversal é realizado a partir do cruzamento de dados da Secretaria da Segurança Pública (SSP) sobre acidentes de trânsito com morte e a base de resultados dos testes de alcoolemia (presença de álcool etílico na circulação sangüínea) feitos pelo Instituto-Geral de Perícia (IGP). 

Para poder traçar um perfil, o DetranRS analisou motoristas de veículos quatro rodas e motociclistas com resultado conclusivo para alcoolemia (não se realiza o exame quando a vítima não morreu no local do acidente ou não se encontra em condições de coletar material para análise). Entre 2018 e 2022, foram registradas 8.083 mortes no trânsito do RS, sendo 4.598 de motoristas de carro ou motociclistas. Ou seja, do total de condutores mortos, 3.267 casos (71%) tiveram resultado conclusivo do exame de alcoolemia, o que representa uma amostragem bastante representativa dos acidentes de trânsito ocorridos no período. 

Gráficos dos dados ano a ano

alcoolizados que morrem no transito   grafico 1 dez23
Número de resultados positivos e Índice de Alcoolemia por ano

Em 2022, 295 pessoas que conduziam veículo tiveram resultado positivo no exame de alcoolemia realizado pela perícia do Estado – isso significa que 44% dos condutores e motociclistas apresentavam uma concentração de álcool na corrente sanguínea superior a zero decigrama por litro (dg/L) no momento do acidente. O percentual de mortos com presença de álcool no sangue foi maior entre motoristas de veículos de quatro rodas, chegando a 49% de um total de 374 vítimas. Entre os 291 motociclistas mortos e testados, por exemplo, o percentual de alcoolemia foi de 38%. Embora menor que entre os motoristas, o índice de alcoolemia entre motociclistas cresceu 7,8% em relação aos últimos anos, quando estava em torno de 30%. 

Índice de alcoolemia cresceu entre motociclistas   dez23
Índice de alcoolemia por tipo de participação: número cresceu entre motociclistas

Observou-se em 2022 que a proporção de alcoolizados entre os homens segue em uma crescente, chegando no maior índice da série histórica, com 45%. Já entre as mulheres observa-se que o índice ficou muito próximo de sua média histórica, atingindo 32%.  

índice de alcoolemia por gênero do motorista   dez 2023
Índice de alcoolemia por gênero do motorista: proporção entre homens segue crescendo

Tipos de acidentes 

Conforme o estudo, em 2022, os sinistros de trânsito do tipo tombamento apresentaram um aumento de 20 pontos percentuais no índice de alcoolemia quando comparado a 2021. Até esse período, o índice ficava em torno de 50% de motoristas mortos e com alcoolemia positiva, mas em 2022 essa estatística chegou a 70%. Os índices dos demais tipos de acidentes permaneceram nas suas respectivas médias: capotagem (62%), choque com objeto fixo (61%) e colisão (37%).

Sinistros do tipo tombamento apresentaram um aumento   dez23
Índice de alcoolemia por tipo de acidente: sinistros do tipo tombamento apresentaram aumento

Dia da semana e hora 

A análise dos acidentes apontou as madrugadas dos finais de semana como os momentos de maior risco em 2022, concentrando maior percentual entre os alcoolizados. Nesse sentido, o turno da madrugada teve grande destaque por apresentar o maior índice de alcoolemia desde 2018, chegando a 75%. Nos finais de semana, a alcoolemia entre motoristas mortos aumentou, atingindo 60%, ou seja, a maior marca desde o início do monitoramento. 

Madrugadas dos finais de semana são os momentos de maior risco   dez23
Índice de alcoolemia por turno: madrugadas dos finais de semana são os momentos de maior risco
alcoolemia por dia da semana   dez23
Índice de alcoolemia por período da semana: finais de semana apresentam mais risco

Políticas públicas 

Com base na orientação da Organização Mundial de Saúde sobre os principais fatores de risco de acidentes, o DetranRS desenvolveu em 2011 a principal política de trânsito do Estado. Focada na prevenção assim como no combate a alcoolemia, a Balada Segura realiza blitz diárias em que todos os condutores são solicitados a fazer o teste do etilômetro (independentemente de apresentarem sinais de embriaguez). Além disso, promove ações assim como campanhas de conscientização. 

“A aposta no combate a alcoolemia se mostrou acertada, como os dados mostram, mas precisamos reforçar o programa no interior do Estado e nos municípios menores”, avalia o diretor-geral do DeranRS Mauro Caobelli. 

Em julho deste ano, o DetranRS e o Gabinete de Projetos Especiais (GPE) do vice-governador lançaram novo edital para estender o programa a mais cidades. Isso ocorrerá especialmente naquelas que registram alto índice de acidentalidade. Paralelamente, a equipe de fiscalização da autarquia tem realizado supervisão técnica nos municípios já conveniados para reforçar o programa. 

Resultados 

Um estudo do Núcleo de Inteligência de Dados da Autarquia, que buscou avaliar os resultados da Balada Segura em 39 municípios, mostrou que as prefeituras que aderiram ao programa registraram redução média de 9,6% nos acidentes com morte nos 36 meses que se seguiram à implementação. Aproximadamente metade dos municípios integrantes do Balada Segura perceberam uma redução no quantitativo de acidentes fatais no período de um ano após a adesão. Ou seja, o percentual sobe para 71,4% dos municípios apresentando um decréscimo de acidentes com morte no período de três anos. 

As informações são do Detran/RS

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *