Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

25 de junho de 2024

Detran/MT implanta novas tecnologias de inteligência artificial nos processos de vistoria veicular

O objetivo é trazer mais segurança, celeridade e otimizar o atendimento ao cidadão.


Por Assessoria de Imprensa Publicado 02/06/2023 às 18h00
Ouvir: 00:00

Em busca de avançar e otimizar os serviços de vistoria veicular, o Departamento de Trânsito do Estado do Mato Grosso (Detran/MT), utiliza do auxílio de tecnologias para dar mais segurança, transparência e celeridade nos serviços prestados ao usuário. O estado conta agora com mais requisitos técnicos nas etapas de vistoria do veículo, em especial, com a criação de tecnologias de inteligência artificial. O sistema já está em funcionamento e vem sendo disponibilizado através das empresas credenciadas pelo departamento.

Para entender o novo sistema é necessário entender como funcionava antes:

O sistema de vistoria anterior, era feito em laudos no papel e exclusivamente pelo DETRAN-MT, não existiam empresas credenciadas para o serviço. Em seguida, a vistoria foi digitalizada, mas foram encontradas algumas falhas, como por exemplo, a validação facial, que era permitida através do uso de uma fotografia do usuário, seja ela impressa ou no celular, o que abria brechas para irregularidades e fraudes.

O Detran identificou esses casos e hoje ele veda imagens de captura de celular ou de outra forma que não seja a própria face do condutor e do validador e mais que isso, o Departamento tornou mais rígida todas as etapas dos processos.

Hoje são exigidos, por exemplo: a realização da vistoria por completo, onde se identifique o documento e o condutor validado. E, também, que o credenciamento do vistoriador na empresa de vistoria e que o reconheça através da biometria. Além disso, a leitura da placa dos veículos e do QR da placa e a leitura OCR do número do chassi. Além disso, checa-se e se valida todas essas etapas no sistema do Detran, para que o vistoriador não burle e nem cometa erros.

Com essas mudanças é possível identificar muito mais segurança em todo o processo, já que nos sistemas anteriores eram possíveis falhas, que não acontecem mais.

Essa tendência já vem sendo implantada pelo Detran/MT em outros serviços, através da Telemetria, com reconhecimento facial e biométrico do instrutor e aluno, nas autoescolas, bem como o controle por geolocalização das rotas percorridas nos testes práticos, implantada para modernizar o controle dos serviços prestados ao cidadão. Ampliou-se também tecnologia similar no sistema de emplacamento e agora na vistoria.

“O Detran/MT, vem investindo em recursos tecnológicos para fortalecer seus processos desde 2019, iniciamos com a formação de condutores, através de um sistema de Telemetria nas aulas práticas e estendemos para as aulas teóricas, posteriormente nós implantamos um sistema tecnológico no emplacamento dos veículos, onde conseguimos coibir as clonagens de placas, e agora, estamos implementando essa tecnologia para a vistoria veicular. O objetivo principal é garantir a segurança viária.  Quando o Detran aprova uma vistoria inconsistente, em um veículo irregular, ele coloca em risco toda uma sociedade, pedestres, motoristas e passageiros, por isso é preciso garantir que esse serviço seja feito de forma adequada e a tecnologia vem para auxiliar nesse processo de segurança, uma vez que ela coíbe as principais fraudes”, afirma o diretor de Veículos do DETRAN-MT, Alessandro de Andrade.

Sobre o serviço de vistoria veicular:

A vistoria veicular é necessária no momento da compra, venda, negociação ou transferência do veículo. Quem realiza o serviço é o Detran/MT e empresas fornecedoras de sistemas credenciadas em vistorias (ECVs), pelo órgão.

As empresas particulares adotaram o novo sistema com ferramentas de fiscalização baseadas na tecnologia. Dessa forma, permitindo o monitoramento à distância. Essa, além de uma tendência nacional, também segue a atualização do código penal, publicado no último dia 26 de abril. Ele torna mais rígido o controle e combate às fraudes e prevenção contra as tentativas de adulteração nos chassis, placas ou qualquer sinal identificador do veículo.

A medida também segue a determinação do Código Brasileiro de Trânsito (CTB). Ele determina aos órgãos ou entidades executivos de trânsito dos estados, a competência de vistoriar e inspecionar as condições de segurança veicular. Além disso, registrar, emplacar e licenciar os veículos. “Não permitir fraudes, vistorias inconsistentes é um objetivo secundário, não permitir que o cidadão de boa-fé, que adquiriu um veículo, seja lesado é um objetivo secundário. No entanto, todos eles vão garantir um objetivo principal que é garantir a segurança viária”, diz o diretor do departamento.

Todo o sistema de tecnologia utilizado na realização das vistorias é essencial para a garantia da segurança do procedimento como um todo. Prevenir qualquer ato de adulteração é o dever dos órgãos reguladores do trânsito, como forma de reduzir os crimes relacionados as fraudes nos veículos.  

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *