Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de junho de 2024

Acidentes de trânsito causaram 9,3 mil internações pelo SUS no Paraná


Por Mariana Czerwonka Publicado 12/05/2017 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 22h27
Ouvir: 00:00
SUS acidentes de trânsitoOs índices são referentes à primeira entrada no hospital e não consideram necessidades futuras. Foto: Freeimages.com

Dados da Secretaria de Estado da Saúde mostram que, em 2016, o Paraná registrou 9.306 internações na rede pública de saúde, decorrentes de acidentes de trânsito. Foram 2.692 mortes. No mesmo período, o Detran-Pr registrou que 61.200 veículos se envolveram em acidentes de trânsito com vítimas no Estado.

“Os dados preocupam e evidenciam a necessidade de conscientizar a população sobre as causas dos acidentes e as maneiras para diminuí-los”, enfatiza o secretário estadual da Saúde, Michele Caputo Neto.

No ano passado, o custo com internações por acidentes de trânsito ultrapassou R$ 12,7 milhões. Os índices são referentes à primeira entrada no hospital e não consideram necessidades futuras, como próteses ou tratamentos prolongados. “Por causa de alguns segundos de distração, toda a vida da pessoa é alterada. Isso gera um custo social que é muito mais maior do que o custo médico. Quanto vale a vida de uma pessoa que se acidenta e não consegue mais exercer sua profissão”, diz o diretor de política de urgência e emergência da Secretaria da Saúde, Vinicius Filipak.

Humana

Uma das maiores causas dos acidentes é a falha humana. O descuido, o excesso de velocidade e confiança e os exageros na mistura de álcool e direção fazem com que o comportamento social seja um dos principais fatores deste problema.

“Um comportamento mais adequado do cidadão que usa o veículo e do pedestre evitaria 95% dos acidentes de trânsito”, afirma o diretor do programa Paraná Urgência, da Secretaria da Saúde, Vinicius Filipak.

As referências científicas internacionais mostram que 50% das vítimas de acidentes de trânsito morrem na hora do acidente, 30% morrem entre quatro e seis horas após o ocorrido e 20% entram em óbito por complicações após a internação.

Motocicletas

Do total de acidentes com veículos envolvendo vítimas no Estado, cerca de 32% foram com motocicletas (20.105 casos), conforme dados do Detran. Destes, segundo o SUS, 3.656 geraram internamentos e 642 resultaram em morte do condutor, colocando-as em segundo lugar no ranking dos acidentes.

Uma das causas de tantos acidentes com motocicletas se deve a popularização e facilidade de aquisição destes veículos. Com o aumento de motocicletas nas ruas, também foi necessário redobrar a atenção no trânsito.

“O grande problema é que se trata de um veículo veloz e vulnerável. Percebemos que muitos condutores não respeitam o Código de Trânsito e extrapolam a segurança, colocando suas próprias vidas em risco”, destacou o tenente do Batalhão de Trânsito, Ismael Veiga.

Atrasado

Samuel Machado, operário de 22 anos, é um clássico exemplo deste perigo. No dia 02 de maio, ele sofreu um acidente. “Eu estava atrasado para o trabalho e ia a uns 90 quilômetros por hora. Fui tentar ultrapassar um caminhão e perdi o controle da moto. Acabei batendo em um poste”, relatou.

Como resultado do acidente, teve fratura exposta na perna e quebrou o cotovelo. No hospital, há mais de uma semana, o operário ainda não tem previsão de quando poderá ir pra casa, mas já sabe que precisará de sessões semanais de fisioterapia por, pelo menos, seis meses, além de acompanhamento e exames.

Celular e álcool são grandes vilões

Usar o celular enquanto dirige, ou prestar mais atenção nele do que no trânsito, aumentam os riscos de ocorrer uma fatalidade. “O celular chama mais a atenção no trânsito do que o próprio trânsito”, diz Juçara Ribeiro, coordenadora de Educação para o Trânsito do Detran-PR.

Ela explica que as atitudes tomadas no trânsito são consequência dos padrões e costumes da sociedade. “Antes, convencer as pessoas a usarem o cinto era um problema. Hoje, deixá-las longe do celular é algo que lutamos todos os dias”, enfatiza.

Outro perigo é o álcool. Em 2016, a maior ocorrência de acidentes não fatais foi de pessoas com a faixa etária entre 18 e 29 anos (16.481 casos). Este é, segundo o Detran-PR, o grupo mais propenso a consumir álcool e dirigir.

Sob o efeito do álcool, alguns motoristas podem alterar, além da percepção, a personalidade. “O álcool e as drogas fazem com que as pessoas atrás do volante modifiquem suas características. Por vezes uma pessoa pacata passa a ser mais agressiva. Esta é uma das razões de o Brasil ser o quarto país no mundo que mais mata no trânsito, logo atrás de China, Índia e Nigéria”, ressalta Antônio Zanatta Neto, tenente-coronel do Batalhão da Polícia Rodoviária Estadual do Paraná.

Lei determina como infração gravíssima

O Código de Trânsito Brasileiro determina que dirigir sob o efeito de álcool, digitar ou manusear mensagens enquanto dirige são infrações gravíssimas e geram sete pontos na CNH.

Na primeira o infrator recebe multa de R$ 2.934,70 e tem a CNH suspensa imediatamente por 12 meses. A prisão do condutor pode ocorrer quando a aferição aponta nível superior a 0,3 miligramas de concentração de álcool por litro de sangue. Neste caso, o motorista ocorre em crime de trânsito e é encaminhado à delegacia.

Na segunda, o proprietário do veículo deve pagar uma multa de R$ 293,47. Já dirigir falando ao telefone celular continua sendo infração média, que gera 4 pontos na carteira e uma multa de R$ 130,16.

As informações são do Governo do Estado do Paraná

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *