Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

02 de março de 2024

Cai número de acidentes e mortes nas estradas em 2014


Por Mariana Czerwonka Publicado 19/04/2015 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 22h53
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Acidentes em rodoviasDados da Polícia Federal revelam que queda se deve às estratégias de fiscalização

Em 2014, o número de acidentes e mortes nas estradas caiu em relação a 2013. Os dados são da Polícia Rodoviária Federal. Para o especialista em Trânsito e professor, Paulo César Marques, a pesquisa mostra que quando se fala em acidentes dificilmente as causas são um único fator, seja para explicar a ocorrência do acidente ou para explicar as boas notícias como a redução nos índices gerais de vítimas. Ele acredita, no entanto, que o destaque é a estratégia de ação da Polícia Rodoviária Federal. “De modo geral, não houve grandes alterações nos fatores que concorrem para a ocorrência de acidentes, embora haja uma melhora significativa da qualidade das rodovias federais”, avalia.

Além das estratégias da fiscalização, houve um aumento de rigor na legislação, como em ultrapassagens proibidas e na Lei Seca. Para Paulo César Marques, tornar a legislação mais rigorosa não tem efeito por si só, mas o efeito vem  quando há percepção por parte dos condutores de que estão sujeitos a serem flagrados, autuados e penalizados.

O professor avalia ainda que a maior parte dos acidentes está relacionada às infrações. “Muito raramente um acidente ocorre sem que tenha havido uma desobediência às leis de trânsito. As vezes essa afirmação pode parecer uma maneira do poder público se eximir da responsabilidade. Porque não é somente a conduta do motorista que provoca o acidente, mas talvez a qualidade da sinalização, da pavimentação. Porém o motorista sempre está na posição de evitar o acidente”, afirma.

Com informações da Agência Brasil

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *