Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de julho de 2024

Número de mortes no trânsito brasileiro volta a crescer, afirma Ministério da Saúde

O número de mortes no trânsito brasileiro, que vinha caindo desde 2014, voltou a crescer em 2021 e 2022.


Por Pauline Machado Publicado 17/08/2023 às 13h30
Ouvir: 00:00

O número de mortes no trânsito brasileiro, que vinha caindo desde 2014, voltou a crescer em 2021 e 2022, se igualando ao número de mortes em países que vivenciam situação de guerra. Os dados são do Ministério da Saúde.

O cenário impacta ainda, os custos do Sistema Único de Saúde (SUS), tendo em vista as despesas médicas e hospitalares geradas pelas ocorrências nas vias.

Números

Em 2021, foram registrados 33.815 mortes no trânsito no país, mais do que em 2020 com 32.716 ocorrências e 2019, com 32.667 registros.

O estudo informou ainda que os dados relacionados ao ano de 2022 ainda estão sendo analisados. No entanto, a tendência é que também sigam em progressão.

Para se ter uma ideia da seriedade e importância da circunstância da realidade dos números no Brasil, nos 500 primeiros dias da guerra entre Rússia e Ucrânia, cerca de 9 mil civis perderam suas vidas no confronto.

Levantamento exclusivo realizado pelo EM, a partir do processamento de dados dos acidentes georreferenciados pela Polícia Rodoviária Federal (PRF) nos últimos três anos, apontou os 10 pontos rodoviários mais letais do país. Três deles estão em Minas Gerais, destacando curvas e trevos perigosos e outras armadilhas. Falta de investimentos e imprudência dos motoristas, principalmente o excesso de velocidade, são as principais causas da carnificina nas estradas.

De acordo com o Ministério da Saúde, as tragédias no trânsito são um “problema de saúde pública”.

“As lesões de trânsito geram sobrecarga das emergências e dos recursos humanos e materiais disponíveis, além do grande impacto na rede de saúde, sendo observado aumento dos óbitos de 2020 para 2021, muito preocupante, além do custo financeiro para o SUS, que saltou de R$ 287 milhões em 2020 para R$ 345 milhões em 2022, aumento de 20% no período”, finalizou a pasta.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

2 comentários

  • MAGNO
    17/08/2023 às 13:32

    Agente de trânsito

  • Adeilton Mendes Dos Santos
    17/08/2023 às 15:19

    Acho bom

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *