Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

23 de fevereiro de 2024

Trechos mais perigosos de rodovias estão nas zonas urbanas


Por Mariana Czerwonka Publicado 01/04/2010 às 03h00 Atualizado 10/11/2022 às 19h09
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Os 15 trechos de rodovias federais onde morreram mais pessoas vítimas de acidentes de trânsito em 2009 estão em áreas urbanas. É o que revela um levantamento feito pela Polícia Rodoviária Federal (PRF). O local campeão de mortes fica na BR 316, em Ananindeua, no Pará. Lá, morreram 34 pessoas, em 1.372 acidentes registrados no ano passado. Em segundo lugar, com 24 mortes, está o trecho entre Itajaí e Balneário Camboriú, em Santa Catarina. Foram 512 acidentes (ver tabela). Segundo a PRF o levantamento serviu para derrubar alguns mitos. Menos de 4,1% dos acidentes com óbitos têm como razão defeitos na via ou no veículo ou então a presença de animais na pista. Em regra, diz o relatório, os buracos na pista causam prejuízos materiais. Outro dado interessante é que 75,2% dos acidentes com maior gravidade ocorrem nas retas, onde o motorista sente “confiança” para cometer abusos ao volante. Apenas 19,2% dos condutores envolvidos em acidentes graves não eram habilitados ou tinham habilitação há menos de cinco anos, sendo que 59% deles têm habilitação há mais de 10 anos. Segundo o relatório, o cansaço não serve de justificativa para os acidentes pois 61% dos condutores afirmaram estar dirigindo há menos de uma hora quando se acidentaram. Mais da metade deles (34,6% do total) dirigia há menos de 15 minutos.

Fonte: Revista Carga Pesada

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *