Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

16 de julho de 2024

Fenabrave cria cartilha sobre segurança com dicas para vendedores de carros elétricos e híbridos

A ideia é que o material seja entregue a todos os revendedores com o objetivo  de dar suporte nas vendas e no pós-venda.


Por Pauline Machado Publicado 01/11/2023 às 18h00
Ouvir: 00:00

Durante o 9º Fórum IQA, realizado pelo Instituto de Qualidade Automotiva, a Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores – Fenabrave, em conjunto com a entidade, organizou uma cartilha com orientação de segurança na operação com carros elétricos ou eletrificados.

A ideia é que o material seja entregue a todos os revendedores com o objetivo  de dar suporte nas vendas e no pós-venda.

“No desenvolvimento do veículo as empresas já pensam na questão dos serviços e do pós-vendas. Agora, isso tudo tem que ser estendido para outras tecnologias. Por isso, estamos elaborando essa cartilha. Há muitos investimentos que devem ser feitos para adaptação da operação”, ressaltou Sérgio Fabiano, do Instituto.

Cartilha sobre carros elétricos para rede de concessionários

A título de exemplo, temos a Hyundai que está implementando uma rede de preparação nos revendedores para veículos híbridos e elétricos.

De acordo com Renato Lunardelli, da HMCSA da Hyundai Motors do Brasil, a montadora, em conjunto com a rede, está desenvolvendo normas para as concessionárias e oficinas de atendimento aos carros eletrificados. “O veículo híbrido não precisa de muito investimento, mas as outras tecnologias sim. O plug-in já demanda recursos para uma instalação elétrica que deve ser redimensionada, para a localização do recarregador. Na entrega do veículo há necessidade de uma outra estação. Ao todo acreditamos que se necessita de em torno de três carregadores em uma revenda”, explicou o porta-voz.

Na ocasião, Lunardelli acrescentou que os investimentos vão além do showroom e seguem para a área de manutenção e pós-venda. “Para se ter uma ideia, o próprio elevador para carro elétrico precisa ser diferente. Como o assoalho do carro é inteiro para comportar a bateria, é necessário fazer uma adaptação. Vamos ter que remodelar toda a estrutura da oficina para fazer a manutenção das baterias”, justificou e finalizou informando que a montadora estuda níveis de serviços de manutenção que devem ser oferecidos na rede.“Consertos de sistemas de freios e suspensão são iguais aos dos carros de combustão. Agora, qualquer manutenção adicional, por exemplo, na tração do veículo e que demande a desmontagem das baterias, não serão todas as concessionárias que terão esse serviço. Teremos centros de serviços especializados”, anunciou.

Adaptação ao novo modelo

Neste cenário em que a eletrificação está muito em pauta no Brasil, Paulo Roa, porta-voz da KPMG Brasil, enfatiza que tanto montadoras quanto concessionárias estão se adaptando para este novo modelo de negócios no setor automotivo. “O Brasil é eclético. E tudo o que vamos falar em termos de estratégia para descarbonização teremos que envolver todo o ambiente. Além disso, entender a necessidade do país para fazer a mudança”, disse o executivo durante o Fórum IQA.

De acordo com ele, até 2028 está prevista uma redução na emissão de gases do efeito estufa provenientes dos veículos.

“Mas não veremos somente elétrico. Haverá queda dos poluentes também pelo uso do híbrido e muito forte pelo híbrido a etanol, até pela nossa matriz. Organizar para esta transição é importante”, evidenciou e finalizou Paulo Roa da KPMG Brasil.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *