Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

27 de fevereiro de 2024

Antena corta pipa não é obrigatória, mas é recomendada para prevenir acidentes com motociclistas

A antena corta pipas é um dispositivo não obrigatório, porém altamente recomendável em motocicletas. O item pode evitar sinistros de trânsito.


Por Assessoria de Imprensa Publicado 17/01/2024 às 11h00
 Tempo de leitura estimado: 00:00
Antena corta pipa
Mesmo que a antena corta-pipa não seja obrigatória, é de extrema importância o uso. Foto: Rodrigo Maia

A antena corta pipas é um dispositivo não obrigatório, porém altamente recomendável em motocicletas. O item pode evitar sinistros de trânsito. O alerta é do Departamento Estadual de Trânsito do Mato Grosso do Sul (Detran-MS) mas vale para todo país.

A diretora de Educação para o Trânsito do Detran-MS, Andrea Moringo, explica que mesmo que o item não seja obrigatório, é de extrema importância o uso.

“Temos uma cultura de crianças e jovens usarem cerol e outros artifícios para deixarem as linhas de pipas mais perigosas, mas isso se torna muito arriscado no trânsito. Mesmo sendo crime, é difícil fiscalizar, por isso recomendamos que os motociclistas se protejam, inclusive usando duas antenas”, explica Andrea Moringo.

Segundo o diretor de Marketing da Caiobá, Uriá Soares, em Campo Grande, é um costume de todo vendedor de motocicletas oferecer a antena cortadora de pipa e outros equipamentos “Na hora da entrega da motocicleta, o vendedor questiona o cliente se no bairro dele é comum o pessoal soltar pipa, caso seja, a gente indica sair da loja já com o acessório instalado”, afirma Uriá Soares.

O acessório tem um preço que varia de 30 a 80 reais, no Mato Grosso do Sul. No entanto, já foi deixado de lado por comprometer a estética do veículo.

Uriá Soares conta que os condutores de motocicletas estão mais preocupados com os itens de segurança nos últimos anos. “É tendência bem interessante de clientes buscando por modelos de equipamentos como capacete, de maior tecnologia aplicada. É comum o cliente sair com o veículo, um capacete de melhor qualidade, luvas, capa de chuva e até segunda pele, fora os itens para sua motocicleta como protetores de motor, manopla ou a antena corta-pipa”, conta Uriá Soares.

Cerol é crime

Segundo o Corpo de Bombeiros, ano passado houve o registro de dois acidentes com cerol em Campo Grande. O uso de cerol ou qualquer outro tipo de material cortante em pipas é crime no Mato Grosso do Sul. A norma foi instituída pela Lei Estadual 3.436, de 19 de novembro de 2007, que estipula uma multa de 20 UFERMS (R$ 957,40). A multa dobra em caso de reincidência.

“Esse é um crime difícil de ser fiscalizado, por isso é muito importante que os pais e responsáveis supervisionem as brincadeiras dos jovens e crianças. Estamos falando de uma brincadeira que pode causar acidentes sérios e até fatais”, finaliza a diretora de Educação para o Trânsito do Detran-MS, Andrea Moringo.

Atividade remunerada

As antenas corta-pipas são obrigatórias apenas em motos usadas para transporte remunerado de mercadorias e de passageiros. De acordo com o artigo 139-A, do Código Brasileiro de Trânsito (CTB), o uso de antena corta pipa é obrigatório para motocicletas em uso específico de atividade remunerada. A resolução 943/2022 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), estabelece também requisitos mínimos de segurança para o transporte remunerado de passageiros (mototáxi) assim como de cargas (motofrete). Além disso, inclui que as motocicletas e motonetas devem possuir dispositivo aparador de linha fixado no guidom.

As informações são de Emmanuelly Castro, do Detran-MS

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *