Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

20 de fevereiro de 2024

Vantagens entre pastilhas e discos e lona e tambor em veículos pesados


Por Mariana Czerwonka Publicado 04/03/2013 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 23h46
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Pastilhas e discos estão ganhando espaço sobre lona e tambor nos veículos pesados e são mais eficientes e duráveis

Pastilhas e discos de freio são cada vez mais comuns nos veículos pesados. “Estimamos que a maioria dos veículos médios e pesados terá a lona e o tambor substituídos por pastilhas e discos”, afirma Jair Silva, supervisor de serviços da Nakata, fabricante de autopeças com uma linha completa de componentes para suspensão, transmissão, freios e motor, marca da Affinia Automotiva pertence à Affinia Group, multinacional norte-americana líder mundial em fabricação e distribuição de componentes automotivos para o mercado de reposição.

A troca da lona e tambor por pastilhas e discos resulta em diversos benefícios. Segundo Silva, além da frenagem ser mais eficiente, há melhor dissipação de calor. “Pastilhas e discos fazem parte de um sistema mais simples, mais durável e tem o custo de manutenção mais baixo que o conjunto de lona e tambor”, ressalta.

No caso dos caminhões pesados, o supervisor de serviços lembra também que o sistema de freio é apenas parte do que se utiliza para parar o veículo. “Em uma descida de serra, com declive muito acentuado, não se pode dispensar o uso do freio-motor para auxiliar a frenagem para evitar superaquecimento que causa grave dano ao sistema de freio”, explica.

Silva aponta alguns dos sinais de desgaste nos componentes do sistema de freio que os caminhoneiros devem ficar atentos. “Há veículos que contam com um luminoso no painel que acende conforme o desgaste. Outros utilizam um alarme sonoro para chamar atenção do motorista para parar e fazer a substituição de peças”, adverte o supervisor de serviços, enfatizando: “Se não houver nenhum sistema de aviso, o motorista deve fazer uma inspeção periódica.

Ele ressalta ainda que o caminhoneiro deve evitar que a pastilha chegue ao fim para que não ocorra a perda da frenagem e não danifique os discos. “Por isso, a manutenção preventiva é tão importante”, finaliza.

 

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *