Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

02 de março de 2024

Existe uma idade limite para um idoso parar de dirigir? Veja a resposta!

Alguns fatores contribuem com a fragilidade dos idosos no trânsito, como o processo natural do envelhecimento.


Por Mariana Czerwonka Publicado 11/10/2023 às 08h15
 Tempo de leitura estimado: 00:00
Idoso parar de dirigir
Há várias discussões em cima do tema de uma idade limite para um idoso parar de dirigir. Foto: budabar para Depositphotos

Recentemente um sinistro de trânsito ocorrido em Curitiba chamou a atenção. Uma idosa de 69 anos perdeu o controle do veículo que dirigia e atropelou cinco pessoas no centro da cidade. Uma delas morreu e outras duas tiveram ferimentos graves. A idosa já deixou a prisão, mas a Polícia ainda investiga o caso para entender o que causou o acidente. Conforme informações da Banda B, o delegado responsável pelas investigações afirmou que, até o momento, não há indícios de que ela tenha sofrido um mal súbito ao volante. No entanto, Edgar Santana disse que “nada impede que essa prova seja produzida durante a tramitação do inquérito policial”. Em depoimento, a motorista afirmou ter tido uma espécie de “apagão” enquanto dirigia e, por isso, perdeu o controle da direção. Esse fato chamou a atenção e levantou várias discussões em cima do tema de uma idade limite para um idoso parar de dirigir.

De acordo com a legislação em vigor no Brasil, não há uma idade determinada para o condutor parar de dirigir. Essa decisão pode partir do próprio idoso, se perceber limitações que o impeçam de dirigir e também do perito do Detran durante o exame de aptidão física e mental no ato da renovação da Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Atenção aos sinais

Alguns fatores contribuem com a fragilidade dos idosos no trânsito, como o processo natural do envelhecimento. Por esse motivo, existem sinais que merecem atenção, de acordo com Celso Mariano, especialista e diretor do Portal do Trânsito.

“A visão, a audição, o equilíbrio são afetados e ainda há o enfraquecimento dos ossos e da musculatura. Essas situações afetam a capacidade cognitiva do idoso, que é fundamental para enfrentar o trânsito”, explica.

Ainda conforme o especialista, nessas horas é preciso de bom senso, tanto por parte do idoso como de todos os envolvidos nesse processo.

“A autocrítica é a única ferramenta realmente eficaz para que percebamos qual é o momento de parar de dirigir. O exame de aptidão física e mental pode, também, estabelecer a hora de parar. Nem sempre, porém, as limitações são tão aparentes assim, e podem eventualmente escapar do profissional de saúde no momento deste exame. Ou, ainda, essas dificuldades podem surgir no intervalo entre uma e outra renovação da CNH”, aponta.

Ao perceber essas limitações, quem deve atuar são os familiares. “Nem sempre apesar de amar seus idosos o familiar consegue tocar no assunto, por considerá-lo delicado. Realmente para muitas pessoas descobrir que não consegue mais dirigir com segurança pode ser muito frustrante. E tirar a chave da mão de uma pessoa idosa pode ser uma tarefa difícil de realizar”, explica Mariano.

Ele diz que o melhor, nesses casos, é pensar na segurança de todos e do próprio idoso.

“É preciso coragem. Se você está no papel daquele que vivencia o desafio de ver pais, avós ou idosos queridos próximos gerando riscos no trânsito para si e para os outros haja o quanto antes. Isso é ser responsável, é ser preventivo”, conclui.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *