Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

04 de março de 2024

Qual é a hora de parar de dirigir? Veja o que dizem especialistas

A hora de parar de dirigir é um momento bastante delicado, já que a direção veicular tem uma relevância importante para o idoso. Leia outras informações.


Por Assessoria de Imprensa Publicado 28/11/2023 às 08h15
 Tempo de leitura estimado: 00:00
Hora de parar de dirigir
A hora de qualquer pessoa parar de dirigir é quando não houver mais aptidão física e mental para a condução segura. Foto: danr13 para Depositphotos

Com o envelhecimento da população e o aumento da expectativa de vida, a questão sobre quando se deve parar de dirigir tem ganhado destaque, e no Rio Grande do Sul um encontro foi promovido para discuti-la.  O “6º Nuitran Debates – Envelhecimento e Mobilidade Humana: estamos preparados?”, promovido pelo Núcleo Interdisciplinar de Estudos de Trânsito, coordenado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), aconteceu na semana passada e tratou desse e outros temas.

Ao mesmo tempo em que é preciso avaliar as condições físicas e mentais para a direção com segurança, estudos recentes apontam importantes declínios sociais, cognitivos e funcionais para quem é impedido de dirigir de forma precoce, aumentando o risco de depressão e mortalidade.  

O psicólogo especialista em Psicologia do Trânsito Paulo Santos Filho destacou que a idade não pode ser um critério para responder a essa pergunta. 

“A avaliação passa por uma série de fatores que independem da idade. Hoje temos seis centenários com Carteira Nacional de Habitação válida no Rio Grande do Sul, pressupondo que atendem a todos os requisitos não só para conduzir, mas para fazê-lo com segurança para si e para os outros”, explica Santos Filho, que coordena a área de exames de aptidão física e mental para fins de habilitação do DetranRS. 

O envelhecimento traz um declínio de habilidades fundamentais para dirigir, mas não afeta só idosos.

Um acidente ou uma doença podem afastar temporária ou permanentemente uma pessoa jovem. A hora de qualquer pessoa parar é, por isso, quando não houver mais aptidão física e mental para a condução segura.  

A parte física envolve aptidão motora, de mobilidade e sensorial auditiva e visual; capacidade cardiorrespiratória e neurológica; e ausência de doenças que debilitem o organismo. Em termos de aptidão mental, de modo geral, deve-se avaliar atenção, memória, juízo crítico, orientação e equilíbrio emocional. 

Avaliação criteriosa 

Mas a hora de parar de dirigir é um momento bastante delicado, já que a direção veicular tem uma relevância importante para o idoso que passou muitos anos dirigindo, afetando seus hábitos de deslocamento com veículo individual. 

“Perder a carteira não é só perder um papel, é perder uma condição – muitas vezes, a própria independência. Essa autonomia permite um vínculo social mais frequente com família, amigos e comunidade”, analisa Santos Filho. 

“A habilitação não deixa de ser um símbolo de funcionalidade na nossa sociedade. Representa estar ativo e ajuda com a autoestima e com a manutenção de atividade habituais, além de exercitar o cérebro.” 

Para ressaltar a importância da avaliação, a Associação Brasileira de Medicina do Tráfego lançou, em março, uma diretriz direcionada aos médicos que fazem a avaliação para a Carteira Nacional de Habitação (CNH).

A normativa aponta que, quando se retira a CNH precocemente de um idoso, os prejuízos podem ser imensos. Estudos evidenciam importantes declínios sociais, cognitivos e funcionais para motoristas em idade avançada que pararam de conduzir veículos. Dessa forma, com risco aumentado de depressão, admissão em casas de repouso e mortalidade. “Esse marco sinaliza que o fim está mais próximo”, explica o psicólogo. “Por isso, a decisão de parar de dirigir deve ser feita com muito critério, pois se acontecer no momento errado, pode trazer grandes prejuízos.” 

Embora a decisão final seja do médico perito, a própria pessoa e seus familiares também podem observar as habilidades do idoso para dirigir. 

É possível adotar estratégias para reduzir riscos. São exemplos: dirigir mais devagar, conduzir acompanhado, não realizar a atividade à noite ou em vias de trânsito rápido e fazer trajetos curtos e conhecidos. 

Importância da família

Pode acontecer também da família observar uma mudança na condição de saúde do idoso ao longo da validade da CNH ou a omissão de informações ao médico perito. Nesses casos, o idoso estará portando uma CNH válida, mas com a possibilidade de não apresentar aptidão física ou mental para dirigir. A família pode, nessas situações no Rio Grande do Sul, encaminhar uma comunicação ao Detran de suspeita de incapacidade, embasada por um laudo médico no qual constem informações clínicas que indiquem possíveis incompatibilidades com a direção veicular segura.  

Com base nas informações, a autarquia pode instaurar uma medida administrativa para recolhimento da CNH e reavaliação do condutor. Nessa reavaliação o médico perito terá conhecimento do conteúdo do laudo e poderá fazer uma investigação mais aprofundada do caso. 

É possível realizar o procedimento através de um Centro de Formação de Condutores ou dos canais de atendimento da autarquia disponíveis no site do Detran

As informações são da Ascom DetranRS

Receba as mais lidas da semana por e-mail

3 comentários

  • Valmir C. Carvalho
    28/11/2023 às 13:07

    Tenho 91 anos de idade com perfeita saúde física e mental, sinto-me tão confiante dirigindo, como se tivesse, vamos dizer: 50, porem todos parentes e amigos acham que não devo viajar dirigindo. Acabo de renovar minha habilitação por mais três anos. Sei que o transito nas estradas não é o mesmo, porque a frota de veículos tem aumentado assustadoramente. Mas analisando a situação atua,l os acidentes tem sido provocados quase que totalmente pelos mais jovens. Em verdade, acho que o risco que corro no volante é o mesmo (ou pior) com outa pessoa dirigindo.

    • Leonardo
      29/11/2023 às 18:06

      Muito bem Valmir, que continue assim. Penso que dirigir na estrada é mais tranquilo que nas grandes cidades, a não ser é claro pela distancia de pontos de socorro no caso de algum problema.

  • Luiz Sérgio Barbosa
    08/12/2023 às 20:55

    Quero parabenizar toda a equipe que produziu a matéria e, ainda, parabenizar o Valmir que chegou até os 91 anos dirigindo com segurança. meus parabéns Valmir, eu também quero chegar na sua idade com plenas condições de conduzir o meu carrinho. Concordo plenamente com a matéria divulgada pela Ascom Detran-RS, pois, não podemos arrancar o direito de dirigir com fundamento apenas na idade, tendo em vista, como já mencionado nos comentários do Valmir, que na maioria das vezes, os acidentes de trânsito são provocados, e provocados por condutores jovens, que desafiam a vida e põem em risco a segurança de todos. Um forte abraço para todos. Boa noite.

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *