Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

19 de julho de 2024

Arteris Intervias inicia cobrança de tarifa por eixos suspensos de veículos carregados em SP

Arrecadação, prevista em Lei Federal e Resolução, já ocorre em outras rodovias do Estado. Valores garantirão investimentos em infraestrutura e inovação, além de repasse de mais impostos a municípios da região.


Por Assessoria de Imprensa Publicado 06/02/2024 às 11h00
Ouvir: 00:00
EIXO SUSPENSO
A cobrança da tarifa de pedágio dos eixos suspensos de veículos pesados carregados (caminhões e carretas) por enquanto vale para os veículos que trafegam carregados entre os 380,3 quilômetros de malha viária administrados pela Intervias, no centro-norte do Estado de São Paulo. Foto: Divulgação Arteris

A Arteris, empresa especializada em gestão de rodovias, anunciou que inicia, às 0h de quarta-feira (7), a cobrança da tarifa de pedágio dos eixos suspensos de veículos pesados carregados (caminhões e carretas). A medida por enquanto vale para os veículos que trafegam carregados entre os 380,3 quilômetros de malha viária administrados pela Intervias, no centro-norte do Estado de São Paulo. A mesma iniciativa será adotada gradualmente ao longo do primeiro semestre deste ano pelas outras seis concessionárias da companhia. Isso ocorrerá em São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Paraná e Santa Catarina.

Conforme a Arteris, diferentes empresas de concessão de rodovias também já iniciaram a nova arrecadação, prevista na Lei Federal 13.103/2015 e na Resolução Conjunta da Secretaria de Parcerias em Investimentos e Secretaria de Meio Ambiente, Infraestrutura e Logística – 001 – de 04-09-2023, que estabelece que não será considerado vazio e, portanto, será tarifado, o veículo pesado que estiver, no momento da cobrança do pedágio, com o Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) vigente, ou o Documento Auxiliar de Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (DAMDFE), nos termos das normas fiscais respectivas.

O MDF-e é um documento fiscal eletrônico que traz informações sobre a origem, o destino e os tipos de produtos transportados registrados na Secretaria da Fazenda e Planejamento de São Paulo.

Conforme determina a legislação, somente veículos vazios ou sem MDF-e aberto estarão isentos da cobrança da tarifa sobre eixos suspensos. Ou seja, que não tocarem o solo. Ao passar por uma cabine de pedágio, o sistema faz a consulta da placa de forma automática no Sefaz-SP. E se o veículo estiver com o MDF-e aberto, cobra-se o eixo.

A Resolução Conjunta de São Paulo também não considera como vazio o veículo pesado que tenha peso bruto total do veículo incompatível com tal condição. Ou que, a partir de avaliação visual, não se verifique em tal condição. Assim como o documento prevê, a Arteris também poderá fazer a fiscalização desses requisitos de maneira remota com sistema integrado de monitoramento e câmeras inteligentes com inteligência artificial. Isso, inclusive por meio de postos de pesagem, sempre que necessário com o apoio de agentes do Policiamento Rodoviário.

Facilidades de pagamento

A Arteris possui diferentes modalidades de cobrança de tarifa de pedágio para veículos leves e pesados que promovem ainda mais conforto e segurança aos usuários. Nas cabines manuais, há opção de pagamento em dinheiro ou cartão de débito com tecnologia por aproximação. Ainda há as pistas automáticas, que necessitam de saldo nas tags para a liberação dos veículos.

Redução de acidentes e responsabilidade social

Conforme a concessionária, a tarifa de pedágio arrecadada nas praças é essencial para que haja a continuidade de investimentos em infraestrutura e inovação das rodovias brasileiras. Nos primeiros nove meses de 2023, a Arteris investiu R$1,4 bilhões em 3.200 quilômetros de rodovias em cinco estados. Isso a fez alcançar uma redução de 51% dos acidentes e fatalidades, entre 2010 e 2020, em cumprimento à meta da Organização das Nações Unidas.

Além disso, do total valor arrecadado também é separado o Imposto Sobre Serviços (ISS), verba que é anualmente repassada às prefeituras de municípios localizados às margens das rodovias administradas pelas concessionárias da companhia. O ISS ajuda no desenvolvimento social e econômico da população e região, respectivamente. No caso da Intervias, desde o início da concessão, em 2000, a unidade já repassou R$734 milhões de ISS aos 19 municípios lindeiros onde vivem aproximadamente dois milhões de habitantes.

Ainda, segundo a Arteris, o valor da receita dos pedágios garante qualidade e agilidade no atendimento de usuários na pista, sem custo adicional, 24 horas por dia e sete dias por semana. Em 2022, houveram quase 800 mil assistências prestadas nas rodovias, entre elas apoio mecânico e atendimento pré-hospitalar. Parte dos valores provenientes das tarifas também se usa para manter projetos de responsabilidade social e meio ambiente. Em 2022, a Arteris destinou R$5,6 milhões a essas iniciativas.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *