Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

27 de fevereiro de 2024

Sustentabilidade: ESG é prioridade nas empresas de transportes de cargas

Empresas, de diversos setores, tentam incorporar cada vez mais essas práticas em suas estratégias de negócios.


Por Pauline Machado Publicado 12/01/2024 às 15h00
 Tempo de leitura estimado: 00:00
ESG Transporte rodoviário de cargas
O setor de Transporte Rodoviário de Cargas tem vivenciado um significativo crescimento das práticas de ESG. Foto: chrisroll para Depositphotos.

Como resultado da crescente conscientização ambiental e das demandas por operações mais sustentáveis, o setor de Transporte Rodoviário de Cargas (TRC) tem vivenciado um significativo crescimento das práticas de ações sustentáveis.

No painel da COP-28, que aconteceu em Dubai, promovido pelo Pacto Global da ONU, diversos executivos compartilharam desafios e soluções durante o debate de posicionamento de empresas com compromisso ESG. Segundo estudos da KPMG, 76% das empresas, de diversos setores, tentam incorporar cada vez mais essas práticas em suas estratégias de negócios.

Na categoria de transporte rodoviário de cargas, por exemplo, que é responsável por 5,1% do Produto Interno Bruto do Brasil no primeiro trimestre deste ano e movimentando mais de 65% da produção nacional, o viés ambiental tem ganhado cada vez mais espaço.

Dentre as modalidades de transporte terrestre, o rodoviário de carga é o que mais tem participação na emissão de Co2 no Brasil, a outros modais. Esse número gira em torno de 20,5%, o que representa em número relativos a 151.633 gigagramas, segundo Boletim Ambiental do Despoluir, Programa Ambiental do Transporte. O setor, inclusive, tem se engajado mais nas ações preventivas e estratégicas para uma gestão mais sustentável atuando em várias frentes de trabalho.

De acordo com a economista Raquel Serini, Coordenadora do Instituto Paulista do Transporte de Carga (IPTC), do ponto de vista econômico, as ações sustentáveis podem motivar uma redução considerável nas despesa. Assim, alavancando consequentemente os rendimentos das empresas. Ela enfatiza que, inicialmente a organização ou entidade pode implantar o ISO 14001. Isso auxilia a empresa sustentável a redesenhar seus processos com base nos principais padrões de sustentabilidade.

“Uma empresa bem gerida deve se preocupar com os aspectos ambientais. No setor de transportes, essas práticas geram impactos em várias áreas, como: um aumento médio de 34% a.a na produtividade das operações, redução de 6,3% a.a do turnover, quase 1 milhão de litros por ano de combustíveis economizados, entre outros”, analisa.

ESG: Benefícios para o meio ambiente e para o setor de cargas

Atualmente, as ações voltadas para a sustentabilidade, quando colocadas em prática, podem ser uma questão confrontadora de empresas. Isso, independentemente do seu tamanho ou posição no mercado, elas não só contribuem para a imagem da empresa, mas ajudam no crescimento dos negócios. “Além de promover a rentabilidade para os negócios, o consumo consciente de recursos está ligado diretamente à competitividade do mercado. Dessa forma, evitando desperdícios para as organizações e para a sociedade como um todo”, reforça Raquel.

Por fim, a economista também ressalta que diversas iniciativas têm sido adotadas para minimizar o impacto ambiental. Além disso, melhorar a eficiência energética no setor de transporte rodoviário de cargas. Como, por exemplo, soluções em torno de boas práticas em gestão ambiental, treinamento de motoristas, realização de manutenção preventiva, inspeção veicular, controle de qualidade do combustível, controle de qualidade do combustível, utilização e destino correto do óleo lubrificante e renovação de frota.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *