Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

04 de março de 2024

Tecnologias permitem redução de até 20% os custos de motoristas e frotistas

Ter um planejamento de rota se torna um dos principais pontos para ter uma gestão de frota com uma logística eficiente.


Por Pauline Machado Publicado 08/12/2023 às 15h00
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Diversas variáveis interferem nos custos e no dia a dia dos motoristas e frotistas. A distância, o tipo de terreno, valor do pedágio, preço do combustível, entre outras. Por isso, ter um planejamento de rota se torna um dos principais pontos para ter uma gestão de frota com uma logística eficiente. Se acontecer o contrário, a prestação deste tipo de serviço não consegue acontecer de forma fluida e, como consequência, os resultados também não serão os esperados.

De acordo com Antonio Carlos Priore, superintendente comercial da Veloe, não só gestores, mas autônomos também devem investir em tecnologias que o auxiliem e otimizem seu trabalho. No entanto, ele ressalta que não basta apenas buscar ferramentas automatizadas.

Para a rotina avançar, é necessário analisar as métricas e dados com cuidado e atenção, sempre em busca do melhor resultado.

“O roteirizador é uma dessas tecnologias que auxiliam o dia a dia desses profissionais e permite que o cliente saia do ponto A para o ponto B usando a melhor rota, ou seja, aquela com menor tempo e menor custo. É uma maneira inteligente de fazer entregas e coletas, de forma sistematizada e que pode gerar de 15% a 20% de economia na gestão de frota”, exemplifica.

Ele acrescenta ainda, que a menor distância não necessariamente tem o menor custo para os motoristas. “Isso porque pode ter estradas em péssimo estado que farão o caminhão andar em uma velocidade menor, com menor rendimento. Portanto, é importante estar atualizado para interpretar o que as ferramentas informam, para analisar os dados fornecidos e usá-los da melhor maneira”, ressalta.

“É comum escutarmos que determinado motorista abastece em um posto que o pai ou colega de trabalho abastece. Quando analisamos qual é o posto, percebemos que existem outros na rota com valor abaixo. Aqui está um dos pontos da economia e, além disso, ainda podemos negociar esses preços. Conseguimos o mais barato do barato”, conclui Priore.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *