Notícias

Opinião

O que a logística tem a nos ensinar na batalha diária do transporte público? 

O que a logística tem a nos ensinar na batalha diária do transporte público?

Rodrigo Vargas de Souza conta sua experiência na preparação de uma palestra sobre gestão de frotas e logística.

Recentemente, fui convidado para palestrar em um evento sobre gestão de frotas. A área da logística não é uma das quais eu tinha mais familiaridade, então me vi na obrigação de fazer uma breve pesquisa, a qual resultou de interessantes reflexões…

Foto: Divulgação autor

Com origem no verbo francês loger (alojar ou acolher), a palavra logística foi inicialmente usado para descrever a ciência da movimentação, suprimento e manutenção de forças militares no terreno. Posteriormente, foi usado para descrever a gestão do fluxo de materiais numa organização, desde a matéria-prima até aos produtos acabados. Desde a antiguidade, os líderes militares já usufruíam da logística. As guerras eram longas e geralmente distantes e eram necessários grandes e constantes deslocamentos de recursos. Para transportar as tropas, armamentos, carros de guerra pesados e alimentos aos locais de combate era necessário planejamento, organização e execução de tarefas logísticas. Na antiga Grécia, Roma e no Império Bizantino, os militares, com o título de Logistikas, eram os responsáveis por garantir recursos e suprimentos para a guerra.

Enquanto pensava na minha possível contribuição para o tema, uma analogia me surgiu à mente. Imagine que sua cidade é um grande supermercado, as lojas são prateleiras e os funcionários são os produtos. O cliente desse supermercado é a Dona Economia. Agora, imagine que a Dona Economia um certo dia vá à farmácia e não encontre o medicamento que ela usa de forma contínua porque a fábrica não foi capaz de levar seus medicamentos até as prateleiras da farmácia. Muito provavelmente Dona Economia ficaria doente…

Caso a analogia não tenha sido suficientemente clara, sejamos mais específicos.

Imagine que você vai ao supermercado para comprar um produto que você compra diariamente, como leite ou pão. Chegando lá, você se dirige à prateleira de costume e, para sua surpresa, encontra no lugar do produto que procura uma placa dizendo que aquele produto não será mais comercializado em supermercados por problemas de logística da fábrica. Porém, ainda será comercializado diretamente na fábrica. Você consegue imaginar a confusão que seria se cada pessoa que toma leite ou como pão pegasse seu carro e dirigisse até a fábrica daquele produto para buscá-lo diariamente?

“Ok, Rodrigo… mas não te parece meio desumano comparar trabalhadores a produtos numa prateleira de mercado?!” Depende muito – eu diria – da definição que você tem de humano. Para mim isso é algo extremamente humano. O que não me parece nada humano é a forma como as pessoas são transportadas diariamente para os seus trabalhos. Quem depende do transporte público para sues deslocamentos cotidianos já se sente há muito tempo uma mercadoria…

Assim, seguindo a origem etimológica do termo, é urgente repensarmos os investimentos em logística humana, sob pena de ficarmos cada vez mais sem suprimentos para essa batalha diária. Numa guerra onde não somente a Dona Economia adoece, mas toda a sociedade.


Artigos Recomendados Para Você

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Politica de Privacidade.

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']