Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

27 de fevereiro de 2024

Quem deve ensinar a dirigir carros com câmbio automático?


Por Márcia Pontes Publicado 19/04/2013 às 03h00 Atualizado 02/11/2022 às 20h46
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Está aí, condutores! Considerando as dificuldades práticas de muitos motoristas para aprender a dirigir carro com câmbio de todos os tipos e também algumas manchetes na mídia de acidentes por imperícia ao volante de um desses carros, faço um convite à reflexão.

A última que eu soube sobre a teórica facilidade de dirigir um carro com câmbio automático veio de um condutor com 2 anos de habilitação que disse tranquilo: “É facinho, só coloca no D (de driver) e sai acelerando”. O resultado? Ele descobriu, na prática, que não era tão “facinho” assim como pensava.

Fazendo uma busca no Google sobre os acidentes causados por motoristas ao volante de carros automáticos cheguei ao caso de um manobrista que perdeu o controle do veículo, caiu de uma altura de 5 metros e foi parar no Hospital das Clínicas.

Mas também tem o caso de um frentista que perdeu o controle do automático que estava manobrando, se chocou contra a vitrine de óleo de motor e anda acertou um veículo que estava abastecendo. Isso sem falar em motoristas que avançam sobre calçadas e fachadas de lojas ou mesmo ladrões de veículos que se atrapalham e causam acidentes inusitados.

Será que dirigir carro de câmbio automático é tão “facinho” assim, bastando olhar o manual ou seguir as instruções dos “instrutores” da família?

Na Itália, um país que vem consolidando uma plataforma cultural voltada para a segurança no trânsito e redução de acidentes, quem aprende a dirigir em carro automático não pode dirigir carro de câmbio manual. Se no dia da prova prática escolhe o carro de câmbio automático vem escrito na sua futura “patente di guida”, a CNH deles lá na Itália: “Habilitado para dirigir câmbio automático”.

Da mesma forma, se no dia da prova prática escolhe fazer o teste de direção com um veículo de câmbio manual não poderá guiar um carro com câmbio diferente deste. Seria, então, o caso de pensarmos mais seriamente sobre o assunto sobre quem deve ensinar a dirigir carros com câmbio automático no Brasil?

Acredito que a mesma medida aplicada na Itália não se aplique aos motoristas brasileiros mesmo diante do aumento de vendas de automáticos. Por outro lado, especula-se se incluir a aprendizagem da direção de carros com câmbio automático ou hidramático no processo de habilitação não serviria para confundir ainda mais o aluno.

Exigir que exista a anotação na CNH de que fez um curso ministrado por instrutores de CFC para dirigir carros automáticos seria uma alternativa mesmo depois de habilitado para dirigir carros manuais, mas, de acordo com a realidade brasileira, será que não seria criar mais uma norma difícil de fiscalizar?

Enquanto isso, vai-se aprendendo a dirigir carros automáticos com o pai, com o tio, o amigo, com o vizinho, com todo mundo, menos com quem exerce a profissão de ensinar a dirigir. E para quem acredita que dirigir um automático ou hidramático é “facinho” e não precisa de curso e nem de instrutor, saibam que essa legião que dirige diariamente sem habilitação carros de todos os tipos pelas ruas de todo o Brasil também pensa dessa forma.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *