Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

Nossa culpa e de quem mais?


Por Mariana Czerwonka Publicado 28/05/2013 às 03h00 Atualizado 02/11/2022 às 20h45
Ouvir: 00:00

Há algum tempo venho percebendo algo em comum em todas as campanhas midiáticas a favor da prevenção e contra os acidentes de trânsito. Todas elas, faço referência as do PARADA (Ministério das Cidades) e a última do Ministério dos Transportes, focam na imprudência dos motoristas, falta de equipamentos obrigatórios e a responsabilidade dos condutores.

Até aí, tudo certo. Concordo com a “ideia passada” até porque nós do Portal também temos uma Campanha denominada Quem Faz o Trânsito Sou Eu, que chama todo cidadão à sua responsabilidade no trânsito. Nada mais natural, até porque 90% dos acidentes são causados por falhas humanas.

Só que a diferença entre nós, um organismo da sociedade civil, fazermos uma campanha de conscientização chamando o cidadão a fazer a sua parte no trânsito, é que é isso que está em nossas mãos. É a única coisa que podemos mudar.

O que não podemos dizer dos órgãos governamentais. O que adianta fazer uma campanha sobre ultrapassagem imprudente, a caracterizando como crime (o que na minha opinião, não deixa de ser), se a realidade das estradas brasileiras é a falta de sinalização, vias de mão dupla, sem acostamento, etc…O que está sendo feito, por estes mesmos órgãos, para melhorar a qualidade das rodovias brasileiras? Existiriam tantos acidentes, causados por ultrapassagens, se tivéssemos no Brasil, a maioria de rodovias de mão única, ou bem sinalizadas ou em ótimo estado de conservação? Este é apenas um exemplo, eu poderia dar uma lista interminável…

A minha conclusão é a seguinte: não podemos deixar de mostrar para todos os usuários do trânsito o quanto atitudes corretas podem salvar vidas, mas não podemos aceitar calados que o trânsito virou esta epidemia, apenas por culpa de nós que estamos do lado de cá.

O trânsito ideal é formado pelo tripé dos E´s: Engenharia, Esforço Legal e Educação. Se um destes “pés” não estiver funcionando direito, a tendência é de não conseguirmos reverter o quadro atual e trágico do trânsito brasileiro. E, o pior, em dois dos “E´s”, infelizmente, não temos como interferir, apenas a vontade política é capaz de fazê-los funcionar corretamente. Você concorda?

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *