Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

13 de julho de 2024

Artigo – Cuide de sua cidade


Por Artigo Publicado 03/10/2022 às 21h37 Atualizado 08/11/2022 às 21h02
Ouvir: 00:00

J. Pedro Corrêa aborda o fato de o trânsito não sair vitorioso nas atuais eleições, mas da importância do tema daqui a dois anos quando elegeremos prefeitos e vereadores.

Independente do resultado das eleições de 2022, ficou claro para mim que o trânsito está entre aqueles que perderam mais uma batalha. Uma vez mais o trânsito não fez parte do cardápio de temas debatidos na campanha deste ano, o que significa que foi olimpicamente ignorado, comprovando a afirmação de que não é prioridade por aqui. Não somos o único país, mas é pena, porque temos sonhos de nação grande, próspera e para isto precisamos de um trânsito à altura.

Algumas reflexões podem ser feitas e ajudam a explicar os porquês da ausência na agenda. Creio, contudo, que mais importante do que chorar o leite derramado, é olhar para a frente e refletir o que pode ser feito para dar a volta e reinserir o trânsito na agenda política do país.

O fato de que nossa sociedade não tem cultura nem educação para o trânsito é o ponto de partida para entendermos por que é tão difícil avançar nesta área. Até pouco tempo atrás era possível ouvir pelo país afora que “acidente de trânsito é vontade de Deus ou coisa do destino”. Talvez ainda exista esta crendice em alguns grotões do Brasil, mas acredito esteja realmente em extinção.

Como trânsito nunca foi ensinado nas escolas e o ensino nas universidades (graduação e pós- graduação) é relativamente recente, é natural que nossas lideranças sociais e políticas tampouco dominem o assunto a ponto de imporem sua inserção na pauta prioritária nacional.

Felizmente, há exceções em alguns escalões do governo, mas que não foram suficientes para elevar o tema à uma categoria preferencial.

Por não ser prioridade e por não provocar maior impacto no seio da sociedade, trânsito também é visto pela classe política como algo que “não dá voto”. E, por isso, fica relegado a segundo plano. Aqueles que se interessam pelo assunto até procuram mostrar que, sim, trânsito é importante e pode dar voto. No entanto, até onde sei, ninguém conseguiu se eleger empunhando apenas a bandeira do trânsito. E isto vale para os três níveis de poder – municipal, estadual ou federal.

Talvez estejamos entrando numa área um pouco complexa. Como explicar que trânsito não é importante se no seu mundo estão áreas tão importantes como automotiva, estrutura viária (construção de estradas, vias urbanas), tecnológica (sinalização, iluminação), educação, só para citar uns poucos setores. Possivelmente esteja faltando capacidade para construir um discurso mais sólido que possa contemplar a importância de todas estas áreas. Além disso, formatar uma mensagem tão forte que possa convencer políticos e lideranças a defenderem como suas bandeiras.

Dito isto, imagino que você está me perguntando “e daí, o que eu posso ou devo fazer?” E eu respondo: cuide da sua cidade, concentre seus esforços para melhorar o trânsito no local onde você mora.

Não desperdice suas energias e esforços para salvar seu estado ou o Brasil porque isto está fora de alcance. No plano local, você pode identificar oportunidades para melhorar o trânsito aqui ou ali. Na sua cidade, você conhece e sabe como contatar lideranças ou técnicos da prefeitura (vereadores) para discutir as melhorias que você vê. Se necessário, junte um pequeno grupo de amigos ou conhecidos para a reivindicação, obviamente com muito mais chances. A conquista de algumas pequenas vitórias mostrará que avanços são possíveis. E que uma sequência de êxitos pode oferecer grandes benefícios à sua cidade, além de ganhar preferência na agenda municipal.

O importante é que cada um de nós, que vemos o trânsito seguro como tema importante para o futuro da cidade e da sociedade, passemos a dar maior atenção aos assuntos locais. Dessa forma, esquecendo a política estadual ou federal. Isto pode fazer a diferença e, enfim, provocar resultados sensíveis e entusiasmar a outros parceiros. Se adotarmos esta posição a partir de agora, tenho certeza de que nas próximas eleições municipais, daqui há dois anos, poderemos ter um discurso mais sólido. Além disso, mais convincente para mostrar à sociedade e aos próprios candidatos. Na verdade, um destes candidatos poderá ser você mesmo(a) que elegerá o trânsito como bandeira e, enfim, mostrará que ele também dá voto. Quer apostar?

* J. Pedro Corrêa é consultor em programas de segurança no trânsito.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *