Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

Como superar um trauma de trânsito?  

Psicólogo explica como o corpo reage com o trauma e como é possível superar ou amenizar um trauma de trânsito


Por Accio Comunicação Publicado 07/03/2024 às 13h30
 Tempo de leitura estimado: 00:00
vista-dianteira-de-homem-e-carro-preto
Foto: Freepik.

Você já teve algum trauma por acidente, ou melhor, sinistro de trânsito? Antes de mais nada, precisamos entender o que significa a palavra “trauma”. O termo é utilizado em acidentes, incidentes ou sinistros, causado por um evento inesperado.  

Em 2023, a Confederação Nacional do Transporte (CNT) publicou uma pesquisa que identificou 64 mil acidentes no ano de 2022. Destes, 52 mil acidentes envolveram vítimas, feridos ou mortos.  

De acordo com o psicólogo clínico, Dr. Luti Christóforo, tanto o corpo quanto a mente podem experimentar uma série de reações após um evento traumático. 

“Do ponto de vista da psicologia, essas reações podem ser entendidas através do modelo de resposta ao estresse. Quando confrontado com uma situação traumática, o corpo entra em estado de alerta máximo, ativando o sistema nervoso e liberando hormônios do estresse, como o cortisol e a adrenalina”, destaca.  

Além disso, segundo o psicólogo, a mente experimenta reações emocionais e cognitivas.  

“Por exemplo, a pessoa pode sentir medo intenso, ansiedade, choque, confusão e até mesmo uma sensação de irrealidade. Essas reações são parte normal do processo de adaptação a um evento traumático e podem variar em intensidade e duração de pessoa para pessoa”, enfatiza.  

Segundo Christóforo, os principais traumas observados em pessoas que sofrem acidentes são:  

  • Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT); 
  • Transtornos de ansiedade;  
  • Amaxofobia (fobia por dirigir); 
  • Transtorno de adaptação; 
  • Depressão; 
  • E, por fim, síndrome do pânico. 

“Por exemplo, uma pessoa que desenvolve TEPT após um acidente de trânsito pode experimentar flashbacks intrusivos do evento, evitação de situações que lembrem o trauma, pesadelos recorrentes, hipervigilância e irritabilidade”, pontua.  

Quais são os principais sintomas após um trauma acontecer?  

mulher-dirigindo-carro-para-teste-para-tirar-carteira-de-motorista
Foto: Freepik.

Após um acidente, é comum a vítima experimentar algum tipo de sintoma físico, emocional ou cognitivo. “Fisicamente, podem ocorrer dores de cabeça, tensão muscular, problemas gastrointestinais e insônia. Em nível emocional, podem surgir sentimentos de ansiedade, medo, tristeza, culpa e raiva”, avalia o psicólogo.  

No entanto, de acordo com Christóforo, a vítima pode ter dificuldade em concentração, memória fragmentada e pensamentos intrusivos relacionados ao trauma. “E uma sensação de desapego em relação aos outros e ao mundo ao seu redor”, complementa.  

O que fazer para superar traumas de trânsito?  

A psicoterapia é uma aliada importante para quem precisa lidar com um trauma recorrente de acidente de trânsito ou desenvolveu alguma fobia.  

 “A terapia psicológica pode incluir técnicas como a exposição gradual à situação temida (exposição in vivo). Além da reestruturação cognitiva para lidar com pensamentos negativos e distorcidos relacionados ao trauma, treinamento em habilidades de relaxamento e estratégias para enfrentamento da ansiedade”, ressalta.  

Por fim, ele sinaliza que, além da psicoterapia, pode ser necessário a prescrição de medicação para tratar sintomas específicos, “como ansiedade ou depressão, por tempo limitado e sempre sob supervisão médica. O tratamento é individualizado e adaptado às necessidades e circunstâncias específicas de cada pessoa”, finaliza.  

E você, conhece alguém que possua trauma de trânsito? Aproveite para compartilhar este conteúdo com quem pode precisar dessas informações. 

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *