Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

21 de fevereiro de 2024

Especialista cria grupo de ajuda mútua para agentes de trânsito

Especialista cria grupo para agentes de trânsito para que possam refletir sobre as suas dificuldades e encontrar formas de resolução dos problemas.


Por Mariana Czerwonka Publicado 19/05/2023 às 18h00
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Criar uma estrutura pequena constituída por pessoas que sofrem e vivenciam situações em comum e que se reúnem com regularidade com o objetivo de, refletindo sobre as suas dificuldades, encontrarem formas de resolução das mesmas. Essa foi a ideia de Rodrigo Vargas, psicólogo, coach e neurolinguista, que atua desde 2009 como agente de fiscalização de trânsito e transporte na EPTC, órgão gestor do trânsito em Porto Alegre para criar um grupo de ajuda mútua para agentes de trânsito.

Para o psicólogo, alguns temem, muitos odeiam e todos julgam os agentes de trânsito.

“O espaço criado é para buscar a compreensão e reconhecimento sem medo, sem ódio e sem julgamentos”, explica Vargas.

Ainda de acordo com o especialista, os encontros serão online, quinzenalmente. Eles acontecerão sempre às quintas-feiras, das 19h às 21h.

O grupo é pago?

Conforme informações do site de divulgação, é possível participar de um encontro gratuito para conhecer. Após se inscrever, o usuário tem até 15 dias para cancelar seu plano, que tem o valor de R$ 25,00 por mês.

Só agentes de trânsito podem participar?

Não. O grupo destina-se a qualquer profissional de trânsito que atua em outras áreas ou simplesmente se identifica com as problemáticas enfrentadas pelos agentes de trânsito.

Regras do Grupo

Confidencialidade

Os membros não devem falar fora do grupo sobre os assuntos discutidos nas sessões ou sobre os seus membros. Fazê-lo significa violar o direito à Confidencialidade de cada membro e pôr em causa a própria utilidade e unidade do grupo.

Simpatia e ajuda

Os membros devem tratar-se uns aos outros como gostariam de ser tratados – com respeito e sem fazer juízos de valor moral. Julgar outro indivíduo, na melhor das hipóteses, não é justo; por outro lado, pode ser fortemente prejudicial. Julgar as opiniões e sentimentos, emoções e pensamentos de um indivíduo não é consistente com o papel que os membros deverão desempenhar num grupo.

Cortesia

É importante partilhar emoções, sentimentos e experiências de vida. Para algumas pessoas pode ser necessária uma coragem extraordinária para confiarem suficientemente no grupo e revelarem os seus sentimentos pessoais.

Aconselhamento

O grupo não deve recomendar nenhuma atitude particular, tratamento ou medicação. Contudo, os membros deverão ter liberdade de expressar as suas experiências pessoais neste domínio.

Assiduidade

Os membros deverão ser pontuais nas sessões e a comparecerem com regularidade enquanto considerarem de valor o processo de grupo. O regresso de qualquer membro ao grupo deverá ser sempre bem-vindo, em qualquer altura.

Partilha

Todos os membros devem partilhar com os colegas ideias assim como situações que estejam relacionadas diretamente com o tema proposto, evitando dispersões para temáticas que podem não se enquadrar nos interesses de todos os presentes. A partilha é uma experiência muito rica e que está na base deste movimento de grupo, ou seja, sendo um poderoso recurso de reabilitação, quebra de isolamento e identificação com os outros.

Para mais informações, clique aqui.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *