Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

16 de julho de 2024

Aula teórica remota: como manter o engajamento dos alunos


Por Tecnodata Educacional Publicado 16/12/2020 às 18h50 Atualizado 08/11/2022 às 21h37
Ouvir: 00:00

Diante da possibilidade do curso teórico-técnico se manter nesse formato por mais um tempo, o Portal traz dicas para manter o engajamento dos alunos durante a aula remota.

Aula remota_engajamentoFoto: Freeimages.com

O ano de 2020 foi um ano atípico no mundo inteiro. Palavras como pandemia, coronavírus, lockdown e isolamento social, por exemplo, fizeram parte do cotidiano da maioria dos brasileiros.

Para os profissionais que atuam em Centros de Formação de Condutores (CFCs) também não foi um ano fácil. Primeiro, veio a paralisação dos serviços, depois, a abertura com restrições e, agora, a busca pelo “novo” normal.

No processo de formação de condutores, uma das maiores mudanças foi a possibilidade (em alguns estados a única alternativa) da realização das aulas teóricas na modalidade de ensino remoto. A permissão do Conselho Nacional de Trânsito (Contran) aconteceu em abril, e desde então, instrutores, alunos e demais envolvidos estão tentando se adaptar a esta nova realidade.

Aqui no Portal do Trânsito já fizemos uma série de publicações trazendo conteúdos para facilitar essa temporária, mas inevitável, transição do ensino presencial para o ensino remoto. Por exemplo, trouxemos dicas e orientações para o instrutor ministrar aulas nesta nova modalidade.

Abordamos também as diferenças entre o curso EAD e a aula teórica remota liberada pelo Contran, pois a norma trouxe certo temor aos CFCs, por abrir brechas para uma possibilidade que já vinha sendo discutida: mudar o formato do curso teórico para primeira habilitação de presencial para a modalidade a distância.

Além disso, juntamos em um post relatos de profissionais que atuam na área sobre como estão superando o desafio da aula remota.

Em alguns estados, as experiências não foram tão animadoras, como é o caso de São Paulo, porém, em outros, como o Rio Grande do Sul, a prática está sendo tão proveitosa que muitos instrutores veem com bons olhos a manutenção das aulas remotas na formação de condutores, mesmo após a pandemia.

Diante da possibilidade das aulas se manterem nesse formato por mais um tempo, até porque o fim da pandemia não parece estar tão próximo, hoje falaremos sobre formas de manter os alunos engajados durante uma aula remota.

Garantir o envolvimento dos candidatos à primeira habilitação em sala de aula não é uma tarefa fácil. E o problema é ainda maior quando falamos em aulas remotas. No ambiente domiciliar o aluno está sujeito a várias distrações.

Para garantir a participação dos estudantes nas aulas e, desse modo, promover um ensino de melhor qualidade, o instrutor de trânsito deve estar atento à elaboração de suas aulas, tornando-as mais atrativas, além de proporcionar momentos de maior interação.

Para ajudar nessa tarefa, o Portal do Trânsito, em parceria com a Tecnodata, reuniu algumas dicas para o instrutor.

Lembre-se de olhar para a câmera

Mantenha sempre o contato visual, mesmo que de longe. Essa ação passará segurança para quem estiver assistindo. É importante também que o instrutor não esqueça de limpar a câmera, para que a imagem a ser transmitida fique mais nítida. Outra dica é combinar com todos para que desliguem seus microfones ao entrarem na aula, e que aguardem a orientação do professor para ligá-lo no momento adequado. Além disso, que utilizem o chat para comentar ou peçam a palavra, e sejam respeitosos com professor e colegas.

Contextualizar o conteúdo ministrado

Uma maneira de conseguir a participação dos alunos é relacionar o conteúdo ministrado com assuntos cotidianos. Essa aproximação com a realidade do candidato faz com que ele perceba melhor a aplicabilidade daquele conteúdo no seu dia a dia. Isso desperta o interesse e também favorece a interação. É importante, no entanto, que o professor dê espaço para que o aluno possa também contar suas experiências e suas opiniões sobre o tema em questão.

Fazer perguntas desafiadoras no início da aula

Através das perguntas “instigantes” é possível prender a atenção dos estudantes e desenvolver uma maneira para que prestem mais atenção na aula. É possível brincar, fazendo questões verdadeiras ou falsas, provocar a curiosidade para a busca de respostas, sempre utilizando o conteúdo a seu favor. Montar quiz online, fazer um talkshow, um bate-papo ou uma entrevista, pode ser uma ideia bacana.

Passar exercícios complementares e simulados

Além de ser uma forma prática de estudar, fazer simulados e exercícios complementares aproxima o aluno da realidade que enfrentará no dia da prova, além de deixá-lo mais tranquilo e seguro.  Os materiais podem ser enviados por e-mail ou compartilhados em pastas hospedadas em serviços na nuvem (como Google Drive, Dropbox e OneDrive), que podem ser acessadas somente pelos alunos da mesma turma. Inclusive, muitos desses serviços suportam edição colaborativa de arquivos de texto, planilhas, apresentações, entre outros.

Encoraje a participação dos alunos

Faça com que os alunos sintam-se realmente à vontade para participar da aula. Deixe momentos abertos para perguntas e levantamentos a respeito de pontos que eles julgarem interessantes.

Promover chats e fóruns de discussão

Muito do que se vivencia em sala de aula pode ser reproduzido nas aulas remotas. Contudo, um dos aspectos mais sensíveis e preocupantes é a comunicação. Portanto, é fundamental manter canais práticos para conversas e troca de mensagens.

Uma ferramenta para isso é o chat, que pode ser estabelecido por uma infinidade de aplicativos e serviços com os quais todos já estão bem acostumados – incluindo WhatsApp, Skype e Telegram. A agilidade das mensagens instantâneas facilita na hora de tirar dúvidas e tende a aumentar a interação entre os estudantes. Nesse caso é importante estabelecer limites de horários para comunicação e entrega de atividades.

Utilize estratégias de investigação

Para finalizar, é interessante incentivar a criatividade, a colaboração e o trabalho em grupo. Você pode enviar pequenos vídeos com desafios, além de os alunos adorarem a ideia, poderá estimular a aprendizagem, realizando pesquisas e investigando novas práticas.

Aproveite e solicite o retorno das atividades por pequenas apresentações como seminário, podcast, storytelling, blog ou vídeos de entrevistas e simulação de telejornal.

Esperamos que essas ações possam ajudar diretores de ensino, instrutores e responsáveis a manter os alunos engajados com o ensino remoto. É um momento conturbado, em que precisamos unir forças para combater a pandemia.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *