Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

Especialista sugere que avaliação do instrutor tenha peso no exame prático do Detran


Por Mariana Czerwonka Publicado 10/03/2021 às 11h12 Atualizado 08/11/2022 às 21h33
 Tempo de leitura estimado: 00:00

Dr. David Duarte Lima, que é doutor em Segurança de Trânsito, fez essa afirmação durante a Live Portal Convida. Veja os detalhes.

Exame prático de direçãoFoto: Divulgação Detran/PR.

Já imaginou se o instrutor de trânsito pudesse contribuir com a sua avaliação no dia do exame prático do candidato a primeira habilitação? É isso que defende o especialista David Duarte Lima, doutor em Segurança de Trânsito pela Universidade Livre de Bruxelas (Bélgica) e mestre em Saúde Pública pela Universidade Católica de Louvain (Bélgica). Ele fez essa afirmação durante a sua mais recente participação na Live Portal Convida, que é apresentada pelo especialista Celso Mariano.

A entrevista completa você encontra aqui.  

Para Dr. David, que já fez estudos sobre o funcionamento do processo de formação de condutores em diversos países do mundo, o instrutor de trânsito tem mais condições de avaliar o aluno na hora da prova prática.

“Em primeiro lugar estou convencido porque os instrutores no Brasil, apesar das dificuldades, são em geral muito bons. E depois,  sabemos que não são raras as vezes em que o candidato fica inseguro e isso atrapalha o seu desempenho. O examinador passa apenas 20 ou 30 minutos avaliando um aluno que já esteve por 20 até 30 horas com um instrutor que conhece todas as suas dificuldades”, pontua.

O especialista sugere que a avaliação do instrutor poderia ter pelo menos um peso de 50% na nota final do candidato. “Está aí uma boa proposta para um deputado apresentar no Congresso Nacional”, recomenda.

Celso Alves Mariano, concorda com o doutor em Segurança de Trânsito.

 “Autoescola é uma escola muito peculiar. Ela não tem o poder de dizer se o aluno está aprovado ou não, funciona mais como um curso preparatório para um concurso. Depois de 20 anos nesse formato, talvez fosse a hora de dar um pouco mais de autonomia para os Centros de Formação de Condutores (CFCs) no processo de habilitação”, argumenta.

Dr. David Duarte Lima reforça que esse poderia ser um projeto para unir as autoescolas no Brasil. “Eu garanto que isso vai aperfeiçoar a responsabilidade do instrutor e da autoescola com o aluno e, também, poderá munir o examinador do Detran com informações importantes sobre o histórico de quem ele irá avaliar”, conclui.

Como funciona o exame prático de direção

O exame de direção veicular, segundo a Res.789/20 do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), é a última etapa do processo de obtenção da habilitação.

Após passar por um curso prático de direção em veículo da categoria pretendida, o candidato realiza uma prova prática no Departamento Estadual de Trânsito (Detran) que tem como objetivo verificar se ele está pronto para receber a sua Permissão para Dirigir (PPD).

A avaliação é dividida basicamente em duas fases: estacionamento e deslocamento em via pública. Na primeira, o candidato terá até três tentativas para estacionar o veículo em área delimitada por balizas removíveis.

O candidato pode ser reprovado se cometer uma falta eliminatória ou atingir mais de 3 pontos. Entre as faltas eliminatórias estão não utilizar capacete, bater nos cones de balizamento, cair do veículo durante a prova, avançar sobre o meio fio ou parada obrigatória.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *