Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

14 de julho de 2024

Taxação dos congestionamentos em Londres provoca queda nos acidentes


Por Mariana Czerwonka Publicado 21/03/2015 às 03h00 Atualizado 08/11/2022 às 22h54
Ouvir: 00:00

Congestionamentos em LondresA taxação dos congestionamentos foi implementada em Londres em 2003 e divide opiniões desde então. Mas um novo estudo mostra um resultado da medida que deve ser comemorado por todos: a significativa queda nos acidentes.

A pesquisa, que deve ser apresentada na Conferência Anual da Royal Economic Society nos dias 30 de março e 1º de abril, revela que o número de acidentes no trânsito da capital inglesa diminuiu 40% desde 2003. O estudo foi liderado por Colin Green, professor do departamento de economia da Lancaster University.

A taxa para os que contribuem para os congestionamentos em Londres, que passou de £5 para £11.50 no período, resultou na queda do número de carros circulando e comprovou que a medida poderia mudar o comportamento dos motoristas. Inicialmente, acreditava-se que, com menos carros nas ruas, o número de acidentes poderia aumentar, já que os veículos teriam espaço para andar mais rápido. Felizmente, porém, o resultado foi o contrário.

A pesquisa também analisou o número de acidentes ocorridos a cada um milhão de milhas dirigidas (cerca de 1,6 milhão de quilômetros) na área em que a taxa é cobrada. Antes da medida, o índice era de 12,4. Desde que a taxação foi implementada, o número caiu para 2,6 acidentes por milhão de milhas. Além disso, o declínio também foi observado fora do horário de cobrança e mesmo fora da área delimitada, uma vez que menos pessoas passavam por elas para chegar ao centro.

Os congestionamentos têm custos enormes: econômicos, de saúde e ambientais. Os resultados obtidos em Londres mostram que a taxação pode ser um mecanismo para ajudar a reduzi-los, evitando, além dos prejuízos financeiros, a perda na qualidade de vida da população.

FonteThe Guardian

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *