Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

22 de julho de 2024

Idosos com enfermidades podem continuar dirigindo?

Algumas enfermidades impedem a prática da condução, independente da idade.


Por Pauline Machado Publicado 06/11/2023 às 15h00
Ouvir: 00:00
Idosos com enfermidades
Algumas enfermidades impedem as pessoas de dirigir, sejam idosos ou não. Foto: rmarmion para Depositphotos

É comum vermos pessoas idosas dirigindo veículos nas ruas, mas e os idosos acometidos por algumas enfermidades limitantes, podem continuar dirigindo?

Algumas enfermidades impedem a prática da condução, independente da idade. A  única diferença entre uma carteira de motorista de um jovem ou adulto para uma pessoa idosa é apenas o tempo para a renovação. Esta, de modo geral, é menor de acordo com o avançar da idade, justamente para avaliar as condições de saúde da pessoa idosa. Logo, as mesmas doenças que podem impedir os adultos de dirigir, também podem impedir as pessoas com idade avançada de dirigir.

Doenças que impedem a direção

As doenças que impedem a total capacidade motora do condutor ou podem causar perda da consciência durante a direção, bem como dificultar a orientação durante curvas, estacionar, visualizar a sinalização, ou os retrovisores, são as que impedem a pessoa de dirigir.

No entanto, apesar da possibilidade de acometer pessoas em qualquer idade, algumas delas costumam ser mais frequentes com a idade, como, por exemplo:

  • Alzheimer: uma doença neuropsiquiátrica progressiva que causa a perda parcial da mobilidade.
  • Ataque isquêmico transitório: causa confusão mental, perda de consciência, arritmias cardíacas e outros sintomas.
  • Epilepsia: de acordo com a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego – ABRAMET, os condutores que fazem tratamento com medicação específica podem continuar dirigindo.
  • Acidente Vascular Cerebral (AVC): quando há sequelas causas perda da capacidade motora.
  • Doença cerebrovascular: causa déficits visuais ou cognitivos.
  • Doenças cardiovasculares: apenas aquelas que causam perda da consciência ou insuficiência cardíaca e deficiência visual.
  • Síncope: diminuição ou perda súbita e transitória da consciência.
  • Esclerose múltipla: perda da capacidade motora.
  • Surdez: necessário uso de aparelho auditivo para dirigir.

Além disso, pessoas que fazem uso de medicações como antidepressivos, sedativos, relaxantes musculares, remédios para diabetes, ansiolíticos, antialérgicos e analgésicos opióides também podem ter impedimento para dirigir.

Avaliação da pessoa idosa

De acordo com o Detran- PR, por conta das restrições de suas capacidades e reflexos comprometidos com a idade, certas dificuldades podem ser detectadas em motoristas idosos, como: 

  • fazer conversões à esquerda, cruzando a faixa de sentido contrário;
  • entrar em uma via de alta velocidade;
  • trocar de faixa em uma pista congestionada;
  • atravessar cruzamento com alto volume de tráfego, 
  • ou parar rapidamente em uma pista de tráfego.

Por ocasião da renovação os condutores são submetidos a exame de aptidão física e mental, passando por verificações verificações protocolares, como acuidade visual, tônus muscular, reflexos, etc. Estes exames não são necessariamente rigorosos ou criteriosos, mas podem detectar indícios claros de incapacidade para dirigir.

A importância dos familiares

É importante reconhecer que, em algum momento ao envelhecer, a pessoa terá que abrir mão do direito de dirigir, para não gerar perigo para si próprio ou para os demais usuários do trânsito. O problema é estabelecer qual é este momento, antes que algo grave aconteça, e aí que entra o papel da família.

É relativamente fácil observar que uma pessoa da família, independentemente da idade, está perdendo a qualidade na condução, por um ou mais motivos. O difícil é abordar este tema em família, porque geralmente envolve ter que convencer o familiar a parar de dirigir, o que pode gerar inconformismo, devido ao tolhimento de liberdade. No entanto, essa conversa é importante e necessária, e pode ser muito mais efetiva do que esperar pela época da renovação da CNH.

Prazos de validade da CNH

Para pessoas que têm até 49 anos, a Carteira Nacional de Habilitação (CNH) tem validade de até 10 anos. Já para quem tem idades entre 50 e 69 anos, o prazo de validade passa a ser de 5 anos, enquanto para quem tem 70 anos ou mais, deverá renovar a CNH a cada 3 anos.

E quais são os possíveis resultados dos exames realizados na renovação da CNH?

Obviamente, a pessoa capaz e em plena forma é considerada apta em poucos minutos, e irá receber sua nova CNH em casa, depois de alguns dias.

O condutor que é reprovado pela deficiência de alguma condição essencial para dirigir com segurança será orientado sobre como tentar corrigir o problema. O exame de vista pode indicar, por exemplo, que o condutor deveria usar óculos e não os usa, ou que suas lentes são insuficientes. Nesses casos, a pessoa é aconselhada a consultar um oftalmologista para corrigir o problema e pode fazer novo exame. Problemas mais sérios podem exigir soluções mais complexas e, se não houver solução, a pessoa não terá a sua CNH renovada.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *