Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

24 de julho de 2024

Mais de 240 condutores são multados por hora no Brasil pelo uso de celular na direção

Só em junho de 2023, de acordo com o Renainf, houve o registro de mais de 176.111 condutores flagrados usando o celular no trânsito.


Por Mariana Czerwonka Publicado 02/10/2023 às 08h15
Ouvir: 00:00
Uso de celular na direção
As falhas de atenção pelo uso do telefone celular na direção aumentam o risco de sinistros de trânsito. Foto: StarsStudio para Depositphotos

Os dados podem assustar num primeiro momento, mas sabemos que esse é um número subnotificado, se pararmos para pensar quantas pessoas usam o celular e não são multadas. Só em junho de 2023, de acordo com o Renainf, houve o registro de 176.111 condutores flagrados fazendo o uso de celular na direção. Ou seja, são 244 multas por hora no Brasil.

De acordo com Carlos Augusto Elias, especialista em trânsito mais conhecido como professor Carlão, do Canal Manual do Trânsito, esse número é bastante preocupante.

“O celular no trânsito é uma nova realidade, nem mesmo os legisladores ao elaborar o Código de Trânsito Brasileiro imaginavam que ele se tornasse o que é hoje. Por isso, o seu uso gera muitas dúvidas, como por exemplo, o uso do bluetooth no carro. Enfim, o dado é preocupante porque esses são os números que sabemos de pessoas flagradas, mas quantos, nesse exato momento, estão dirigindo utilizando o telefone celular e que a fiscalização de trânsito não consegue constatar? Esse número é muito maior do que a gente possa imaginar”, explica.

O especialista diz ainda que só uma simples olhada ao celular pode acabar em tragédia. “A depender da velocidade que esse veículo está, são muitos metros em que a pessoa está dirigindo às cegas. O condutor está circulando e se expondo, não só se colocando em risco, mas colocando outras pessoas em risco também”, justifica o Prof. Carlão.

Estudo

De acordo com a Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (Abramet), cerca de 1/3 dos motoristas dirigem distraídos, interagindo com os outros ocupantes do veículo, conversando ao telefone celular, enviando mensagens de texto, entre outros. O celular é o responsável por quase 50% das atividades que resultam em falhas de atenção ao conduzir.

Ainda segundo a Abramet, as falhas de atenção ao conduzir pelo uso do celular aumentam o risco de sinistros de trânsito de forma exponencial, podendo resultar em ferimentos leves, graves, incapacitantes e muitas vezes fatais. “O ato de digitar uma mensagem de texto, faz com que o motorista dirija o veículo por diversos metros sem olhar atentamente o trânsito. Este chega a ficar, em média, 4,5 segundos sem prestar atenção na via. E, dependendo da velocidade, poderá percorrer até 100 metros absolutamente desatento, tempo e distâncias suficientes para atropelar pedestres, ciclistas e colidir com outros veículos. Enviar mensagens pelo WhatsApp, conduzindo um veículo à 80 km/h, equivale a estar dirigindo com os olhos vendados por um percurso das dimensões de um campo de futebol oficial”, diz a Diretriz da Associação.

Um estudo publicado na revista New England Journal of Medicine concluiu que dirigir falando ao celular quadriplica o risco de uma colisão durante chamadas breves. A situação se agrava com a disseminação dos aplicativos de troca de mensagens. Ou seja, nesse caso, os riscos de se envolver em sinistros de trânsito sobem vertiginosamente para 400% ao se checar mensagens de texto e para 23 vezes quando elas são digitadas. O envio de mensagens de texto é a causa da desatenção mais grave, envolvendo distração manual, visual e cognitiva simultaneamente.

“Dirigir veículos automotores utilizando telefone celular e seus dispositivos ocasionam reações equivalentes à condução com 1g/l de alcoolemia”, conclui o estudo.

Assista reportagem especial do Portal do Trânsito sobre o assunto:

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *