Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

24 de julho de 2024

Trafegar pelo acostamento não é esperteza, é infração de trânsito!

Além de ser infração de trânsito, trafegar pelo acostamento pode colocar em risco a segurança de pedestres e até mesmo de ocupantes de outros veículos.


Por Mariana Czerwonka Publicado 31/01/2023 às 08h15
Ouvir: 00:00

A cena não é nada incomum: ao se deparar com um congestionamento na rodovia, o condutor opta por trafegar pelo acostamento como forma de chegar mais rápido e tentar se livrar do engarrafamento. Essa conduta é classificada como infração gravíssima e tem a multa multiplicada por três, chegando ao valor de R$ 880,41.

Conforme o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), o acostamento é parte da via diferenciada da pista de rolamento que se destina à parada ou estacionamento de veículos, em caso de emergência. E, ainda, à circulação de pedestres e bicicletas, quando não houver local apropriado para esse fim.

Parar, estacionar ou transitar nos acostamentos sem estar no contexto das situações descritas acima é infração de trânsito. Além disso, ultrapassagens jamais devem ser feitas utilizando esta parte da pista.

Conforme informações da Polícia Rodoviária Federal (PRF) do Paraná, a infração mais registrada nas rodovias federais no estado nesse início de ano tem sido trafega pelo acostamento.

Para Eliane Pietsak, pedagoga e especialista em trânsito, a atenção em rodovias é fundamental, qualquer atitude irregular pode comprometer a segurança de todos.

“Um carro parado ou utilizando inadequadamente o acostamento pode resultar numa tragédia dependendo da velocidade e do número de veículos e pessoas envolvidas na situação”, explica.

Quando é possível utilizar o acostamento?

De acordo com o CTB, o uso dos acostamentos em rodovias, fundamentalmente é para situações de emergência. Como por exemplo, pane no veículo, acidente, falta de combustível ou condutor ou passageiro com problemas de saúde. Nesses casos, segundo a PRF, as paradas eventuais no acostamento devem ser feitas com acionamento do pisca-alerta. Além disso, com a colocação do triângulo a pelo menos 30 metros do veículo.

Outra situação possível, é o uso do acostamento para entrar ou sair de imóveis ou áreas especiais de estacionamento.

Em vias com acostamento, as conversões à esquerda devem ser feitas utilizando essa parte da pista. Em rodovias onde não existirem locais apropriados para retornos e conversões, o condutor deverá aguardar no acostamento, à direita, para cruzar a pista com segurança.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *