Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

Estepe deve ser igual aos demais pneus?


Por Marcelo Araújo Publicado 18/12/2012 às 02h00 Atualizado 02/11/2022 às 20h50
Ouvir: 00:00

Estepe, pneu-socorro, roda sobressalente são alguns termos utilizados para se referir ao conjunto de aro e pneu que os veículos de quatro ou mais rodas devem obrigatoriamente possuir, por se tratar de um ‘equipamento obrigatório’, nos termos da Resolução 14/98 do CONTRAN, e cuja falta ou até ineficiência implica numa infração de natureza grave. É um equipamento que não pode ser considerado um item de segurança, pelo menos de segurança de trânsito, já que ninguém quer ter o carro imobilizado por pneu furado num lugar perigoso. Ele não tem a finalidade de evitar acidentes, e eventualmente pode proteger um pouco mais se houver colisão contra o compartimento onde se encontre guardado, mas também não é sua finalidade. Sua finalidade é então evitar que o veículo fique imobilizado pelo furo ou dano num dos pneus que rodam. Se o furo ou dano se dá em lugar afastado, mas que permite que o veículo fique imobilizado em lugar seguro, sua finalidade é minimizar os transtornos aos ocupantes, e esse é um interesse particular de cada um e não um interesse do poder público para considerá-lo obrigatório. No caso de furo ou dano em local movimentado, o transtorno no fluxo já será causado porque o reparo terá que ser realizado, e a existência do equipamento teria a finalidade de diminuir o tempo que tal transtorno causa ao fluxo da via.

Muitos questionam se o estepe precisa realmente ser idêntico às rodas que estão no veículo, já que diversos veículos importados, e em especial os esportivos usam pneus largos, e que nesse caso possuem a roda sobressalente mais fina e leve, que ocupa menos espaço para ser transportada, e que possui exatamente a finalidade de evitar a imobilização do veículo e permitir a chegada em lugar que permita o reparo do pneu de uso. Há ainda o caso dos veículos com blindagem nos pneus e rodas que permitem rodas mesmo com furo ou dano nos pneus, e também de tubos portáteis de ar comprimido com material de vedação, que dispensariam a obrigatoriedade do estepe.

De qualquer forma, e sendo um equipamento obrigatório, e termos lido recente entrevista de autoridades do DENATRAN que ele deve ser igual aos demais, não há nada que determine que deva ser idêntico aos demais em uso no veículo, sendo que a única regulamentação existente sobre substituição de rodas e pneus é que deve ser mantido o diâmetro externo do sistema roda+pneu, e que não pode exceder a largura dos para-lamas, podendo sim ser mais fino desde que o mencionado diâmetro seja mantido.

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *