Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

12 de julho de 2024

Novo Secretário Nacional de Trânsito afirma que curso teórico continuará obrigatório na 1ª habilitação

Adrualdo Catão, no entanto, diz que pretende aperfeiçoar o processo de formação de condutores.


Por Mariana Czerwonka Publicado 25/04/2023 às 08h15
Ouvir: 00:00

O novo secretário de Trânsito, que assumiu recentemente a Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), foi entrevistado pelo especialista Celso Mariano, na Live Portal Convida na semana passada. Durante a conversa, que você pode acompanhar na íntegra ao final da matéria, Adrualdo Catão afirmou que não pretende dar continuidade ao processo de tornar facultativo o curso teórico na 1ª habilitação. Ou seja, o curso teórico continuará obrigatório na 1ª habilitação. No entanto, disse que vai propor melhorias na formação de condutores.

Conforme Catão, que já foi diretor do Departamento Estadual de Trânsito de Alagoas (Detran/AL), a minuta de resolução do Contran que alterava o processo de formação de condutores, e que trouxe bastante polêmica no final de 2022, tem pontos importantes e no momento certo, haverá a revisão dessa proposta.

“O ponto polêmico, na verdade, estava relacionado à extinção da obrigação do curso teórico para formação de condutores. Isso não passa pelos planos da nossa agenda regulatória. Essa era uma agenda do governo passado, que considero que sozinha ela é simplista, não resolve o problema e não entende bem a realidade de como funciona a formação de condutores”, explica o secretário.

Mudanças no processo de habilitação

Para o novo secretário, o processo de primeira habilitação tem problemas que precisam ser resolvidos. “A ideia é solucionar dois problemas, que são diferentes, mas estão relacionados. Um é a qualidade da formação de condutores e o outro é a própria formalização do condutor que é uma realidade que existe principalmente nos estados mais pobres. A gente tem um problema que são os condutores que guiam veículos sem habilitação”, garante Catão.

Para isso, ele diz precisar contar com o apoio de todos os envolvidos no processo. “Vou precisar de todos os setores para pensar quais são as alternativas de facilitação e simplificação do trabalho dos CFCs. Além disso, do que é possível fazer para promover mais vagas com menos custos e no que o Governo pode ajudar nisso. Ou seja, o que os órgãos federais, estaduais e municipais podem ajudar para promover a inclusão dos condutores no sistema. Estou falando dos condutores que já conduzem sem habilitação, pois sabemos que essa é uma realidade especialmente no Nordeste e no Norte. Nós precisamos resolver esse problema”, aponta o dirigente da Senatran.

A solução, de acordo com o secretário, não é simples.

“Eu só vou conseguir resolver esse problema com os CFCs e os demais partícipes da formação do condutor e isso tem que ser repensado. Simplesmente tirar a obrigatoriedade do curso teórico, na minha opinião, não resolve o problema, e eu acho que precisamos sentar para rever isso. Está na pauta e vai entrar na nossa agenda regulatória”, conclui Catão.       

Entenda a polêmica

Em agosto de 2022, a Secretaria Nacional de Trânsito, sob gestão do governo anterior, colocou em consulta pública duas minutas de resoluções do Conselho Nacional de Trânsito (Contran), com o intuito de substituir a Res. 789/20, que atualmente regulamenta o processo de formação de condutores. Chamou a atenção, na nova minuta, a possibilidade de tornar o curso teórico facultativo na formação de condutores. Ou seja, o curso teórico deixaria de ser obrigatório na 1ª habilitação. Inclusive, o ministro da Infraestrutura à época fez ampla divulgação do tema em suas redes sociais. Assim como, disse que o objetivo da norma seria desburocratizar o processo.

De acordo com participantes da Câmara Temática de Educação para o Trânsito (CTEDUC) do Contran, de onde partem as sugestões e embasamento técnico sobre assuntos específicos para decisões do Conselho, tornar o curso teórico facultativo na formação de condutores não foi um tema debatido nas reuniões.

Isso quer dizer que não passou pelo crivo técnico dos especialistas representantes de órgãos e entidades executivos da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, e nem de especialistas representantes dos diversos segmentos da sociedade relacionados com o trânsito.

Após vários apelos de especialistas da área, o Contran na última reunião do grupo, em 2022, decidiu não aprovar as resoluções.

Conforme Celso Alves Mariano, especialista em trânsito e diretor do Portal, a decisão do Contran foi correta. Para ele, seria assustador pensar na possibilidade de tornar facultativo o curso teórico num país que carrega números tão absurdos de violência no trânsito, como é o caso do Brasil.

“É preocupante pensarmos em abrir mão desses momentos em que o cidadão que pretende dirigir encontra o tema trânsito de forma didaticamente organizada, tendo aulas com um instrutor capacitado para isso. Nosso processo de formação de condutores está longe de ser perfeito. No entanto, considerando que é ele que compensa toda a outra parte que ainda não tivemos competência de fazer, dá uma boa amostra de como é inoportuno abandonarmos o curso teórico de formação de condutores”, finaliza.

Assista a Live na íntegra:

Receba as mais lidas da semana por e-mail

5 comentários

  • Adão Cordeiro
    25/04/2023 às 10:53

    Além das aulas teóricas sugiro que o novo secretário agregue as moto Bis à pista de motos, pois à muitos alunos com dificuldade no aprendizado de direção por motos possuírem embreagem a as Bis não possuírem. Isso tem levado muitos alunos reprovar no momento do exame prático junto aos Detrans.

    • Neide Fernandes
      26/04/2023 às 14:36

      Sugiro que todos os condutores façam um curso de atualização, no ato da renovação da CNH. Muitas mudanças ocorreram e os condutores estão desatualizados

      • Karin
        30/04/2023 às 12:00

        Creio que todos os condutores deveriam fazer curso para renovar a CNH. As leis e normas mudam e reciclar conhecimento é sempre necessário.

  • Ulisses Miranda dos Santos
    26/04/2023 às 08:39

    Na minha concepção tem que melhorar o nível dos Instrutores. Tem muita gente exercendo a função com capacidade cognitiva limitada. Isto prejudica diretamente os candidatos à obtenção de CNH, pois o processo é caro!

  • Daniel Silveira
    28/04/2023 às 19:42

    Se colocar um candidato assistindo a um curso EAD e outro assistindo ao curso tradicional, o resultado vai ser o mesmo e o EAD é mais barato. O curso teórico tem de ser revisto, na minha deveria dar ênfase às regras de circulação, com um conteúdo bem abrangente. Em vez de nome das placas deveria ser, que atitude tomar em relação a placa, o candidato decora o nome da placa e não sabe agir com relação a ela. Mecânica deveria ser o básico do básico, primeiros socorros é sinalizar o local e chamar o socorro. Em suma é rever todo conteúdo.
    Os Centros deveriam se chamar em vez de Condutores, de Cidadãos.

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *