Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Política de Privacidade.

27 de fevereiro de 2024

Saiba como é realizada a manutenção de um ônibus urbano  

Para saber como é o processo de manutenção de um ônibus urbano, o Portal do Trânsito visitou a Transporte Coletivo Glória, que atende a região norte de Curitiba.


Por Accio Comunicação Publicado 26/01/2024 às 13h30
 Tempo de leitura estimado: 00:00
FOTO-1-

Foto: Pedro Lima. 

Você já teve a curiosidade em saber como é realizada a manutenção de um ônibus urbano? O Portal do Trânsito visitou a Transporte Coletivo Glória, empresa que atende as linhas urbanas da região norte de Curitiba. Com 321 ônibus distribuídos nas três unidades da empresa, a Transporte Coletivo Glória faz parte do Consórcio Pontual.  

Na manutenção dos carros, de acordo com Ewerton Luciano Trento Barz, coordenador da manutenção, cada mecânico é responsável por 18 veículos. Atualmente na empresa existem as “miniequipes”, composta por 2 mecânicos e 1 eletricista. No Transporte Coletivo Glória, este programa recebe o nome de “Manutenção 10”.  

O gerente de manutenção Sérgio Pereira compara o Manutenção 10 a um médico de família. “O médico de família vai lá e cuida daquela família, conhece as dores, os problemas de cada um. Então com isso, o que esse médico faz? Ele fica mais eficiente, porque ele fica mais rápido no diagnóstico e fica mais rápido na solução”, salienta.  

A vantagem está no profissional conhecer o perfil daquela família. “Voltando pra empresa de ônibus, não é diferente. Os nossos filhos são os ônibus, né? E os nossos médicos são os mecânicos”, destaca Sérgio Pereira.  

Existe diferença de manutenção entre ônibus tradicional, híbrido ou elétrico?

20231201_140333

Foto: Pedro Lima. 

Ewerton Barz detalha que um ônibus tradicional possui peças e componentes totalmente diferentes de um modelo híbrido.

“Existe diferença sim. É a composição de peças e o elétrico que vai em um veículo. Também tem diferença em filtro e muitas outras coisas”, ressalta. Para se ter uma ideia, o mecânico não deve misturar peças que são de ônibus elétricos com ônibus híbrido, por exemplo. A responsabilidade do profissional se torna ainda maior.  

Vale frisar que algumas ações da área de manutenção só podem ocorrer durante o dia. Isso acontece devido ao barulho causado durante a trocas de peças, que podem causar incômodo à vizinhança.

“Boa parte da manutenção ocorre durante o dia. Nós trabalhamos 24 horas na manutenção e temos processos realizados à noite. Eu não posso usar nenhum tipo de ferramenta pneumática no período da noite. Nesse período, existe profissionais trabalhando, porém, como uma diminuição na frequência do ruído”, esclarece. 

Como era a manutenção de ônibus antigamente?  

20231201_135115

Foto: Pedro Lima. 

Antes de estabelecer as miniequipes, o número de quebra nos ônibus era 45 vezes maior do que atualmente. Com isso, cada mecânico ou eletricista se torna responsável por cada carro que atende.  

“Antigamente, toda a responsabilidade ficava no gestor. Hoje a responsabilidade fica no mecânico, porque ele cuida dos carros dele. Com isso, você faz com que eles se tornem mais eficientes, né? Quando você cuida de 18 carros, é muito mais fácil do que cuidar de 400”, analisa Sérgio Pereira. 

Ewerton Barz concorda e explica que o serviço de mecânica é difícil e complexo. O diferencial está no apadrinhamento de carros e na autogestão.

“Eu acho que o principal diferencial nosso é essa questão do apadrinhamento dos carros. Fica mais difícil para nós enxergarmos quando fazemos uma gestão compartilhada, onde a gente divide essa responsabilidade, né? Com as miniequipes, eles conseguem enxergar muito mais fácil 18 carros do que eu enxergar uma frota de 321 carros”, ressalta Ewerton.  

O que acontece quando há interrupção durante a viagem?  

Na Transporte Coletivo Glória, o ônibus passa por uma manutenção periódica pelo menos 1 vez ao mês. Porém, o que acontece quando a viagem sofre interrupção durante o trajeto?

De acordo com Ewerton Barz, existem socorristas que vão até o carro resolver a situação. Com os chamados “pitocos” (carros de socorro ao ônibus), o socorrista avalia o problema no veículo (que às vezes pode ser resolvido na mesma hora).

Mas há situações mais complexas em que a troca de ônibus é necessária para que os passageiros possam continuar o percurso.  

“Nós temos aqui alguns colaboradores que são socorristas. Quando o motorista liga para nós, atendemos na manutenção e fazemos o gerenciamento para ele. O socorrista observa se tem algum risco de segurança ao passageiro ou de trânsito. A gente dá essa orientação geral e, feito isso, nosso socorrista vai até o local e faz a correção do carro”, detalha.  

Valorização do trabalho e treinamento do funcionário  

A Transporte Coletivo Glória também promove cursos realizados em parceria com a Mercedes-Benz e a Marcopolo. “Todos os funcionários da manutenção ingressam no curso. Às vezes são colocados no primeiro mês, mas dentro do primeiro ano de serviço eles passam por esse treinamento”, ressalta Ewerton.  

Também são realizadas premiações às miniequipes que se destacam ao longo do ano. Os melhores colocados podem ganhar 1 dia de folga ou optar por resgatar produtos no fim do ano.  

Confira agora a entrevista de Celso Mariano com o gerente de manutenção Sérgio Pereira: 

E você, já conhecia uma manutenção de ônibus urbano? Comente aqui embaixo.  

Receba as mais lidas da semana por e-mail

Comentar

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *