Notícias

Moto

Dia do motociclista: profissionais pedem mais reconhecimento, segurança e empatia 

Dia do motociclista: profissionais pedem mais reconhecimento, segurança e empatia
Foto: Arquivo Tecnodata.

A pandemia alavancou o uso da moto como ferramenta de trabalho, mas motociclistas ainda enfrentam perigos nas ruas. Especialista aponta alternativas para modificar esse cenário!

Dia do motociclista
Foto: Arquivo Tecnodata.

Hoje, dia 27 de julho, comemora-se o dia do motociclista. Porém, não há muitos motivos para comemoração. Como um meio de transporte de baixo custo e grande agilidade, as motocicletas são muito utilizadas em todo o Brasil. Conforme os dados mais atualizados do Registro Nacional de Veículos Automotores (Renavam), até maio desse ano o total de motocicletas registradas no país ultrapassava 24 milhões e representava 22,11% do total da frota brasileira.

Quem conduz o veículo, porém, acaba protagonizando outro dado: cerca de 21% dos acidentes de trabalho fatais entre 2011 e 2020 ocorreram com motociclistas, segundo números do Sistema de Informação de Agravo e Notificações (Sinan), do Ministério da Saúde.

Motociclistas são os que mais morrem nesse tipo de acidente.

Pandemia

Desde o ano passado, especialmente nos picos do isolamento social e das medidas de incentivo ao “#FiqueEmCasa”, o número de brasileiros que fizeram da motocicleta uma ferramenta de trabalho cresceu, e junto com ele o alerta para as necessidades desse grupo no espaço trânsito.

De acordo com uma pesquisa da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel) em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o número de empresários que usavam o delivery cresceu de 54% para 66% na pandemia. Assim como a adesão dos negócios aos aplicativos cresceu de 25% para 72%.

Já, segundo estudo divulgado em dezembro pelo Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o número de entregadores e motoboys aumentou 3,5% na pandemia, chegando a cerca de 950 mil em todo o país.

“Isso ocasiona a amplitude de serviços de entrega com o uso da motocicleta, muitas vezes sem o preparo adequado. Por este motivo é importante conscientizar estes profissionais da importância de preparar-se para estar no trânsito com o objetivo de preservação da vida. Como também os gestores das empresas para que ofertem cursos de qualificação para estes profissionais, além do que é exigido por lei. O prazo de entrega dos produtos ou serviços também é um fator que precisa de maior atenção, para que esse tempo não contribua para aumentar o risco de sinistros”, opina Edira Soares, chefe de educação para o trânsito e formação de condutores do Detran de Alagoas.

A Lei 12009/09 regulamentou o exercício das atividades dos profissionais em transporte de passageiros, mototaxista, e em entrega de mercadorias motoboy, com o uso de motocicleta.

Para exercer este tipo de atividade profissional é preciso ter 21 anos completos e possuir habilitação no mínimo por dois anos na categoria “A”. Além disso, é necessária a aprovação em curso especializado com regulamentação pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran).

Como modificar esse cenário?

Edira, que também é coordenadora do Plano de Segurança Viária para Motociclistas (PSVM) e uma das autoras do livro “Nós Somos o Trânsito. Acidentes com motos: como remediar esta epidemia?”, ainda avalia as principais razões dos acidentes.

“Nas capitais, a problemática pode se dar pelo excesso de velocidade, desobediências às regras de trânsito e a falta de preparação. Diante disso, a situação é ainda mais preocupante com o crescimento do uso da motocicleta por pessoas que residem na região rural, de baixa renda, onde muitas vezes a motocicleta se torna o veículo da família. Nesta situação, o desconhecimento às regras e a falta de preparação é ainda maior, havendo uma proporção maior da frota do veículo do que o número de habilitados. Isso mostra que estes motociclistas não passaram pelo processo de formação de condutores, o que aumenta significativamente os riscos de se envolverem em sinistros”, disse.

Segundo a especialista, há algumas alternativas que podem contribuir com a redução desses índices e modificar esse cenário a longo prazo.

“A solução para a redução da violência no trânsito para este público passa pelo processo de formação de condutores. Tanto quanto o aprimoramento desta qualificação para as localidades onde o transporte público é insuficiente. Além disso, é preciso que haja investimento em outros modais de transporte que diminuam o uso intensivo da motocicleta, como o transporte público. Dessa forma, é preciso, também, investir em mobilidade ativa e planejamento urbano. Portanto, é preciso pensar as cidades para as pessoas e não para os carros”, afirmou.

O Portal do Trânsito foi às ruas para ouvir depoimentos sobre o dia a dia do profissionais que utilizam a motocicleta como ferramenta de trabalho. Além disso, seus desafios e sugestões de melhorias. Assista!


Artigos Recomendados Para Você

9 Comentários

  1. Helder

    Boa Tarde! Li o artigo e fiquei interessado pelo livro: “Nós Somos o Trânsito. Acidentes com motos: como remediar esta epidemia?” Edira. Gostaria de saber onde consigo este livro ou acesso.
    Atenciosamente!

    1. Mariana Czerwonka

      Helder

      Para saber mais informações sobre o livro, encaminhe um e-mail para [email protected]
      Eles devem te orientar.

      Equipe Portal

  2. Edira Soared

    Boa tarde. Para que se interessar pelo livro Nós Somos o Trânsito ou pelo projeto PSVM no link a seguir tem informações sobre o projeto e você pode baixar o livro em PDF http://indicadores.detran.al.gov.br/psvm/

  3. Edira Soares

    Parabéns ao portal do trânsito pela matéria e pelo vídeo com a opinião dos motociclistas. Importante ouvir as pessoas para que o foco das ações seja para elas.

    1. Mariana Czerwonka

      Edira

      Nós é que agradecemos pela rica contribuição!

      Equipe Portal

Deixe um comentário

Campos obrigatórios *

Nós usamos cookies para melhorar a sua experiência em nossos sites, personalizar publicidade e recomendar conteúdo de seu interesse. Ao acessar o Portal do Trânsito, você concorda com o uso dessa tecnologia. Saiba mais em nossa Politica de Privacidade.

Trocar a senha

Identifique-se para receber um e-mail com as instruções de nova senha.

[wp_user active='forgot']